Efeitos da Avaliação Externa das Aprendizagens no Desenvolvimento Profissional de Professores de Matematica do Ensino Basico em Portugal

Maria Micaela Marques, Joana Raquel Sousa, Natalia Costa, Jose Augusto Pacheco

Resumo


Neste artigo sao apresentados resultados de um estudo empirico sobre os efeitos da realização de provas externas nacionais de matematica do 2º e 3º ciclos do ensino basico, no desenvolvimento profissional docente. Estas provas sao um fator de legitimação de práticas ancoradas na abordagem do curriculo centrada em testes e standards. Atraves duma metodologia quantitativa, verifica-se pelos dados dos respondentes (n=179) que professores de matematica revelam a tendencia de apropriação especifica da linguagem de valorização da avaliação externa de aprendizagens ao nivel das suas práticas curriculares e pedagogicas, bem como a sua adesao à avaliação externa das aprendizagens, concretizada atraves da realização das provas finais de ciclo na disciplina de matematica, cujos efeitos mais evidentes sao a valorização dos resultados academicos e a seriação das escolas.

Texto completo:

PDF PDF Espanhol

Referências


AFONSO, Almerindo Janela; ESTEBAN, Maria Teresa. (Org.). Olhares e interfaces: reflexoes criticas sobre a avaliacao. Sao Paulo: Cortez Editora, 2010.

ALVES, Maria Palmira Carlos. Curriculo e Avaliacao: uma perspetiva integrada. Porto: Porto Editora, 2004.

ANTUNES, Fatima; SA, Virginio. Notas, pautas e vozes na escola: exames, rankings e regulacao da educacao. In: AFONSO, Almerindo Janela; ESTEBAN, Maria Teresa (Org.). Olhares e interfaces: reflexoes criticas sobre a avaliacao. Sao Paulo: Cortez Editora, 2010, p. 112-146.

AULD, Euan; MORRIS, Paul. Comparative education, the new paradigm and policy borrowing: constructing knowledge for educational reform. Comparative Education, [S. l.], v. 50, n. 2, p. 129-155, 2013.

BARBOSA, Liliane Cecilia de Miranda; VIEIRA, Livia Maria Fraga. Avaliacoes externas estaduais: possiveis implicacoes para o trabalho docente. Revista e-Curriculum, Sao Paulo, v. 11, n. 2, p. 409-433, 2013. Disponivel em: . Acesso em: 27 set. 2013.

BIESTA, Gert. Para alem da aprendizagem. Belo Horizonte: Autentica, 2013.

COUTINHO, Clara Pereira. Metodologia de Investigacao em Ciencias Sociais e Humanas: Teoria e Pratica. Coimbra: Almedina, 2011.

ERKKILA, Tero; PIIRONEN, Ossi. Shifting fundaments on European higher education governance: competition, ranking, autonomy and accountability. Comparative Education, [S.l.], v. 50, n. 2, p. 177-191, 2014.

EURYDICE. Exames nacionais de alunos na Europa: objetivos, organizacao e utilizacao de resultados. Agencia de Execucao relativa à Educacao, ao Audiovisual e à Cultura, 2009. Disponivel em: . Acesso em: 23 dez. 2013.

FERNANDES, Domingos. Avaliacao das aprendizagens: desafios às teorias, praticas e politicas. Lisboa: Texto Editores, 2005.

______. Avaliar para aprender: fundamentos, praticas e politicas. Sao Paulo: Editora UNESP, 2009.

GAVE. Relatorio: um olhar sobre os exames nacionais. Lisboa: Ministerio da Educacao, 2010. Disponivel em: < http://iave.pt/np4/file/110/Report_2009.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2013.

Marques et al.

Meta: Avaliacao | Rio de Janeiro, v. 7, n. 19, p. 58-84, jan./abr. 2015

GHIGLIONE, Rodolphe; MATALON, Benjamin. O Inquerito: Teoria e Pratica. Oeiras: Celta Editora, 1993.

JNE. Júri Nacional de Exames. Processo de Avaliacao externa da aprendizagem: Provas finais de ciclo: Exames Nacionais. Relatorio 2013. Portugal: Governo de Portugal; Ministerio da Educacao e Ciencia, 2013. Disponivel em: < http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/JNE/2013_relatorioanual.pdf>. Acesso em: 2 ago. 2014.

MACHADO, Eusebio Andre. Avaliar e ser sujeito ou sujeitar-se?: elementos para uma genealogia da avaliacao. Mangualde: Edicoes Pedago, 2013.

MONS, Nathalie. Effets theoriques et reels de politiques d’evaluation standardisee. Revue Francaise de Pedagogie, [S.l], n. 169, p. 99-140, 2009. Disponivel em: . Acesso em: 15 ago. 2014.

NOVOA, Antonio Sampaio. Prefacio. In: FERNANDES, Domingos. Avaliar para aprender: fundamentos, praticas e politicas. Sao Paulo: Editora UNESP, 2009, p. 13-17.

OZGA, Jenny. Knowledge, inspection and the work of governing. Sisyphus, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 16-38, 2014.

PACHECO, Jose A.; MARQUES, Micaela. Governamentalidade curricular: acao dos professores em contextos de avaliacao externa. In: OLIVEIRA, Maria Rita (Org.). Professor: formacao, saberes e problemas. Porto: Porto Editora, 2014, p. 105-136.

PACHECO, Jose Augusto. Curriculo: teoria e praxis. Porto: Porto Editora, 2001.

______. Discursos e lugares das competencias em contextos de educacao e formacao. Porto: Porto Editora, 2011.

______. Avaliacao das Aprendizagens: Politicas formativas e praticas sumativas. Texto apresentado nos Encontros de Educacao, promovidos pela Secretaria da Educacao, do Governo Regional da Madeira, Funchal, 10 e 11 de fevereiro de 2012. Disponivel em: Acesso em: 15 ago. 2014.

PACHECO, Jose Augusto; SEABRA, Filipa; MORGADO, Jose Carlos. A Avaliacao Externa. Para a referencializacao de um quadro teorico sobre o impacto e os efeitos nas escolas de ensino nao superior. In: PACHECO, Jose Augusto (Org.). Avaliacao externa de escolas: quadro teorico/concetual. Porto: Porto Editora, 2014, p. 15-55.

PENNER-WILLIAMS, Janet. Tested curriculum. In: KRIDEL, Craig. Encyclopedia of curriculum studies. [s. e.]: 2010, p. 878-879.

Efeitos da Avaliacao Externa das Aprendizagens no Desenvolvimento Profissional de Professores de

Matematica do Ensino Basico em Portugal 83

Meta: Avaliacao | Rio de Janeiro, v. 7, n. 19, p. 58-84, jan./abr. 2015

RODRIGUES, Pedro. Avaliacao da formacao pelos participantes em entrevista de investigacao. Lisboa: Fundacao Calouste Gulbenkian, 2002.

SANTIAGO, Paulo; DONALDSON, Graham; LOONEY, Anne; NUSCHE, Deborah. OECD Reviews of evaluation and assessment in education: Portugal 2012. OECD Publishing: 2012. Disponivel em: . Acesso em: 5 dez. 2013.

SANTOS, Ana Paula Silva; CANEN, Ana. Avaliacao Escolar Para a Aprendizagem: possibilidades e avancos na pratica pedagogica. Meta: Avaliacao, Rio de Janeiro, v. 6, n. 16, p. 53-70, 2014.

SILVA, Angela Carrancho da et al. Avaliacao do Grau de Satisfacao dos Professores de Matematica do Estado do Rio de Janeiro com o Curso de Formacao Continuada Oferecido Pela Fundacao CECIERJ: um estudo piloto. Meta: Avaliacao, Rio de Janeiro, v. 5, n. 13, Rio de Janeiro, 2013, p. 126-157.

SOBRINHO, Jose Dias. Avaliacao: politicas educacionais e reformas da educacao superior. Sao Paulo: Cortez Editora, 2003.

______. Avaliacao educativa: producao de sentidos com valor de formacao. Revista da Avaliacao do Ensino Superior, Campinas, v. 13, n. 1, p. 193-207, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 15 ago. 2014.

STEINER-KHAMSI, Gita. Understanding policy borrowing and lending. Building comparative policy studies. In: G. STEINER-KHAMSI; F. WALDOW (Ed.). World yearbook of education 2012: policy borrowing and lending in education. London: Routledge, 2012, p. 5-17.

TUCKMAN, Bruce W. Manual de Investigacao em Educacao. Lisboa: Fundacao Calouste Gulbenkian, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v7i19.781



Direitos autorais 2015 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.