Avaliação do Curso de Formação Continuada em Avaliação Educacional na Perspectiva dos Alunos

Antônia Bruna Silva, Francisco Herbert Lima Vasconcelos, Nicolino Trompieri Filho

Resumo


O estudo pretendeu verificar junto aos alunos do Curso de Formação Continuada em Avaliação Educacional, se seus objetivos foram alcancados. Alem disso, investigou os pontos fortes e fracos e as sugestoes para sua melhoria. No tratamento dos dados foi adotada a analise fatorial exploratoria com o auxilio do SPSS v.20.0. O estudo constatou uma boa adequação dos dados à analise fatorial (KMO =0,854). A escala apresentou coeficiente de precisao igual a 0,92. Os seis itens da escala foram agrupados em um fator com explicação de 71,277% da variância total (cargas fatoriais entre 0,74 e 0,88). Esse fator refere-se à contribuicao do curso para o aprimoramento dos procedimentos avaliativos na escola, a partir de uma visao mais aprofundada sobre avaliação educacional nos aspectos teoricos e praticos. Evidenciou-se que os objetivos propostos foram satisfatoriamente alcancados. Por fim, destaca-se a necessidade de promover a formação dos agentes educacionais em avaliação educacional.


Texto completo:

PDF PDF Espanhol

Referências


ABBAD, G. da S.; QUEIROGD, F.; ZERBINI, T. Fundamentos teoricos e metodologicos em analise de instrumentos. In. ABBAD, G. da S. et al. (Org.). Medidas de avaliacao em treinamento, desenvolvimento e educacao: ferramentas para gestao de pessoas. Porto Alegre: Artmed, 2012.

BRASIL. Ministerio de Educacao e do Desporto. Conselho Nacional de Educacao. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formacao de Professores da Educacao Basica em nivel superior, curso de licenciatura, de graduacao plena. Brasilia, DF: MEC/CNE, 2001.

CUNHA, L. M. A. Modelos Rasch e Escalas de Likert e Thurstone na medicao de atitudes. 2007. Dissertacao (Mestrado)-Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciencias, Departamento de Estatistica e Investigacao Operacional. Lisboa, 2007.

FERRACO, C. E. Saberes e praticas cotidianos: pode a formacao de professores dispensar a avaliacao?. In. ESTEBAN, M. T.; AFONSO, A. A. (Org.). Olhares e interfases: reflexoes criticas sobre a avaliacao. Sao Paulo: Cortez, 2010.

GATTI, B. A. Formacao de professores no Brasil: caracteristicas e problemas. Educacao & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.

______. O Professor e a avaliacao em sala de aula. Estudos em Avaliacao Educacional, n. 27, jan./jun. 2003.

HAIR, J. F. et al. Analise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

INSTITUTO UFC VIRTUAL. Solar 2.0 inaugura uma nova etapa da educacao a distância da UFC. Ceara, 2014. Disponivel em: . Acesso em: 5 ago. 2014.

MARÔCO, J. Analise Estatistica com o SPSS Statistics. 5. ed. Pero Pinheiro: ReportNumber, 2011.

PEREIRA, J. C. R. Analise de Dados Qualitativos: estrategias metodologicas para as ciencias da saúde, humanas e sociais. Sao Paulo: EDUSP, 2001.

PESTANA, M. I. G. S. A experiencia em avaliacao de sistemas educacionais: em que avancamos?. In: BAUER, A; GATTI, B. A.; TAVARES, M. R. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliacao de sistemas educacionais no Brasil: origem e pressupostos. Florianopoles: Insular, 2013. v. 1.

TYLER, R. Principios basicos de curriculo e ensino. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 1972.

VIANNA, H. M. Avaliacao de cursos pelos alunos: consideracoes. Estudos em Avaliacao Educacional, n. 29, jan./jun. 2004. Disponivel em: . Acesso em: 8 ago. 2014.

______. Avaliacao Educacional. Teoria, Planejamento e Modelos. 1. ed. Sao Paulo: IBRASA, 2000.

______. Fundamentos de um programa de avaliacao educacional. Brasilia, DF: Liber Livro Editora, 2005.

______. Fundamentos de um programa de avaliacao educacional. Estudos em Avaliacao Educacional, n. 28, jul. /dez. 2003. Disponivel em: . Acesso em: 08 de agosto de 2014.

YUSOFF, R.; JANOR, R. M. Generation of an Interval metric scale to measure attitude. SAGE, [S. l.], jan./mar. 2014. Disponivel em: . Acesso em: 24 mar. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v6i18.392



Direitos autorais 2015 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.