MACE: Medida de Avaliação da Composição Escrita no ensino básico português

Sofia Oliveira, Janete Silva Moreira, Ana Lúcia Agostinho, Ana Margarida Veiga Simão

Resumo


Enquanto sistema de comunicação, a escrita assume um papel central em diversos contextos, ocorrendo o seu ensino durante vários anos de escolaridade. Porém, a avaliação da escrita em língua portuguesa carece de instrumentos validados. Assim, procedeu-se ao estudo de precisão e validação da Medida de Avaliação da Composição Escrita (MACE), uma medida de observação construída para avaliar a composição escrita de textos narrativos no ensino básico. Participaram no estudo 280 alunos (M = 8.58 anos) de escolas públicas de Lisboa. A recolha de dados (560 textos narrativos) foi realizada em dois momentos, cumprindo o mesmo procedimento. Os resultados evidenciaram uma estabilidade da medida ao longo do tempo e uma precisão na avaliação por diferentes juízes. A validade de conteúdo da MACE e a sua sensibilidade ao nível de competência de escrita foram também demonstradas. Discutem-se implicações da utilização da MACE no desenvolvimento de avaliações compreensivas da composição escrita.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, A.; POCH, A.; LEMBKE, E. An exploration of alternative scoring methods using curriculum-based measurement in early writing. Learning Disability Quarterly, Estados Unidos da América, v. 41, n. 2, p. 85-99, maio 2018. doi:10.1177/0731948717725490

AMADO, J. Manual de investigação qualitativa em educação. 2ª ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014. 434p. ISBN: 978-989-26-0878-5

BORGES, S.; SILVA, A.C. A revisão como um instrumento para a melhoria da qualidade de textos narrativos. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, Corunha, v. Extr., n. 1, p. 331-336, dez. 2017. doi:10.17979/reipe.2017.0.12.3030

BRAGA, I.; PIMENTEL, S.; DA SILVA AGUIAR, G. Avaliação do desempenho de leitura e escrita dos alunos do 2º e 3º anos do ensino fundamental I do colégio Pedro II - Campus Humaitá I: uma meta-avaliação. Revista Meta: Avaliação, v. 8, p. 21-36, 2016. doi:10.22347/2175-2753v8i0.1053

BUESCU, H. et al. Programa e metas curriculares de português do ensino básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, 2015. 101p. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2018.

CAPRISTANO, C. Por uma concepção heterogênea da escrita que se produz e que se ensina na escola. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 35, p. 171-193, jan./abr. 2010. doi:10.15210/CADUC.V0I35.1619

CARLOS, L.; PEREIRA, M.F. A escrita como dispositivo de formação em educação. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 39, p. 175-192, mai./ago. 2011. doi:10.15210/CADUC.V0I39.1532

CARVALHO, J.; BARBEIRO, L. Reproduzir ou construir conhecimento? Funções da escrita no contexto escolar português. Revista brasileira de educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 54, p. 609-628, jul./set. 2013.

COHEN, J. Statistical power analysis for the behavioral sciences. 2ª ed. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1988. 400p. ISBN: 978-080-58-0283-2

DUNSMUIR, S. et al. An evaluation of the Writing Assessment Measure (WAM) for children’s narrative writing. Assessing Writing, Reino Unido, v. 23, p. 1-18, jan. 2015. doi:10.1016/j.asw.2014.08.001

ESPIN, C.; WEISSENBURGER, J.; BENSON, B. Assessing the writing performance of students in special education. Exceptionality, Londres, v. 12, p. 55-66, 2004. doi:10.1207/s15327035ex1201_5

FIELD, A. Discovering statistics using IBM SPSS statistics. 4ª ed. Londres: Sage Publications, 2013. 915p. ISBN: 978-935-15-0082-7

GONÇALVES, M.D. Avaliação funcional e monitorização das aprendizagens. In: VEIGA SIMÃO, Ana Margarida; FRISON, Lourdes; ABRAHÃO, Maria Helena (Org.). Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas: Epistemologia e práticas. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012. p. 229-257.

JACOBS, H.L. et al. Testing ESL composition: a practical approach. 1ª ed. Londres: Newbury House Publishers, Inc., 1981. 139p. ISBN: 978-088-37-7225-6

KIM, Y. S. et al. Evaluating the dimensionality of first-grade written composition. Journal of Speech, Language, and Hearing Research, Estados Unidos da América, v. 57, n. 1, p. 199-211, fev. 2014. doi:10.1044/1092-4388(2013/12-0152)

LANDIS, J.R.; KOCH, G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, Washington DC, v. 33, n. 1, p. 159-174, mar. 1977. doi:10.2307/2529310

LEITE, L. S. et al. A prática da avaliação como instrumento de colaboração e autoria dos discentes. Meta: Avaliação, v. 28, n. 10, p. 235-246, 2018. doi:10.22347/2175-2753v10i28.1731

LEÓN, C. et al. Como avaliar a escrita? Revisão de instrumentos a partir das pesquisas nacionais. Revista Psicopedagogia, São Paulo, v. 33, n. 102, p. 331-345, mai. 2016.

MARQUES, M.; SILVESTRE, A.; GONÇALVES, M.D. Avaliação da composição escrita em alunos do 1.º ciclo. In: GONÇALVES, Maria Dulce (Org.). Encontros IDEA: Investigação de dificuldades para a evolução na aprendizagem (Livro I). Óbidos: Sinapsis Editores, 2012. p. 195-210.

MCGRANE, J. A.; HUMPHRY, S. M.; HELDSINGER, S. Applying a thurstonian, two-stage method in the standardized assessment of writing. Applied Measurement in Education, Oxford, v. 31, n. 4, p. 297-311, out. 2018. doi:10.1080/08957347.2018.1495216

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA [MEC]. Aprendizagens essenciais: Articulação com o perfil dos alunos. Português, 4.º ano, 1.º ciclo do ensino básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, 2018a. 13p. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2019.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA [MEC]. (2018b). Aprendizagens essenciais: Articulação com o perfil dos alunos. Português, 6.º ano, 2.º ciclo do ensino básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, 2018b. 15p. Disponível em:. Acesso em: 04 jan. 2019.

OHTA, R.; PLAKANS, L.; GEBRIL, A. Integrated writing scores based on holistic and multi-trait scales: A generalizability analysis. Assessing Writing, Reino Unido, v. 38, p. 21-36, out. 2018. doi:10.1016/j.asw.2018.08.001

PISCALHO, I.; VEIGA SIMÃO, A.M. Promover competências autorregulatórias da aprendizagem nas crianças dos 5 aos 7 anos: Perspetivas de investigadores e docentes. Interacções, Santarém, v. 30, p. 72-109, jun. 2014. doi:10.25755/int.4026

SCHOOL CURRICULUM AND STANDARDS AUTHORITY. Online literacy and numeracy assessment (OLNA): Writing guide. Cannington, Western Australia: School Curriculum and Standards Authority, 2015. 29p. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2019.

STRUTHERS, L.; LAPADAT, J.; MACMILLAN, P. Assessing cohesion in children’s writing: Development of a checklist. Assessing Writing, Reino Unido, v. 18, n. 3, p. 187-201, jul. 2013. doi:10.1016/j.asw.2013.05.001

VEIGA SIMÃO, A.M. Reforçar o valor regulador, formativo e formador da avaliação das aprendizagens. In: ALVES, Maria Palmira; MACHADO, Eusébio (Org.). Avaliação com sentido(s): Contributos e questionamentos. Santo Tirso: De Facto Editores, 2008. p. 125-151.

VEIGA SIMÃO, A. M. et al. CriaTivo: Promoção de estratégias de autorregulação na escrita. Lisboa: Faculdade de Psicologia, Universidade de Lisboa e Câmara Municipal de Lisboa, 2017. 131p. ISBN: 978-972-95069-2-5

VIANA, F.L. et al. O ensino explícito da compreensão da leitura. Análise do impacto de um programa de intervenção. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 71, dez. 2017. doi:10.1590/S1413-24782017227172

WAGNER, K. et al. Exploration of new complexity metrics for curriculum-based measures of writing. Assessment for Effective Intervention, Estados Unidos da América, p. 1-11, maio 2018. doi:10.1177/1534508418773448

WECHSLER, David. Wechsler Individual Achievement Test (WIAT-II UK). London: Pearson Education Ltd, 2005. ISBN: 978-015-89-8460-5




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v11i33.2217



Direitos autorais 2019 Fundacao Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.