Avaliação Cognitiva de Policiais Militares e Universitários em Medidas Padronizadas de Memória, Atenção e Inteligência

Ivan Sant´Ana Rabelo, Andrea da Silva Mazariolli

Resumo


A segurança pública é uma das grandes preocupações da sociedade, criando-se expectativas sobre os responsáveis por esta segurança. Espera-se que os policiais tenham competências para promover a segurança da população. Esta pesquisa investigou métodos de mensuração de atenção, memória e inteligência aplicados em 105 policiais militares e 113 universitários. Foram realizados os testes estatísticos Test T, ANOVA, correlações e estudos de precisão. Observou-se que na inteligência geral, memória de curto prazo, atenção concentrada e dividida o grupo de policiais apresentou resultados mais elevados que os universitários. Constituindo-se em uma questão fundamental para a qualidade dos serviços de segurança pública, os resultados desta pesquisa contribuem para o entendimento do uso de testes de avaliação da cognição em policiais militares, sobretudo em razão de estarem expostos a riscos diversos e terem o porte de arma de fogo, aspectos associados a uma cognição satisfatória para o exercício profissional torna-se relevante.


Texto completo:

PDF

Referências


AIKEN, L.R. Tests Psicológicos y Evaluación. Mexico: Pratice Hall Hispano. 1996.

ALCHIERI, J.C.; CRUZ, R.M. Avaliação Psicológica: conceito, métodos e instrumentos. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2003.

Alves, I.C.B. Novos Estudos Psicométricos do Teste D.70. Avaliação Psicológica, 5(2), 251-253. 2006.

ANASTASI, A.; URBINA, S. Testagem Psicológica. Porto Alegre: Artes Médicas. 2000.

BAÑOS, R.; BELLOCH, A. Psicopatología de la atención. In A. Belloch y E. Ibañez (orgs.). Manual de Psicopatología (Vol. 1). Valencia: Promolibro. 1995.

BARKLEY, R. The executive functions and self-regulation: an evolutionary neuropsychological perspective. Neuropsychology, 11(1), p. 1 – 29. 2001.

BRITO, D.P. Os Desvios de comportamento praticados pelos policiais militares contraindicados e indicados com restrição no exame psicológico para admissão na Polícia Militar de Minas Gerais. Monografia apresentada à Escola de Governo da Fundação João Pinheiro e a Academia de Polícia Militar/Centro de Pesquisa e Pós-Graduação, para aprovação no Curso de Especialização em Gestão Estratégica de Segurança Pública. Belo Horizonte. 2003.

BRITO, D.P.; GOULART, I.B. Avaliação psicológica e prognóstico de comportamento desviante numa corporação militar. PsicoUSF, Itatiba , 10(2), 149-160. 2015. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712005000 200006&lng=pt&nrm=iso . Acessado em 05 jul 2017.

CAVALCANTE, S.; FRANCO, M. A. Profissão perigo: percepção de risco à saúde entre os catadores do Lixão do Jangurussu. Revista Mal-estar e Subjetividade, VII (1), 211-231. 2007.

CRUZ, R.M.; ALCHIERI, J.C.; SARDA JÚNIOR, J.J. (orgs.). Avaliação e medidas psicológicas: produção do conhecimento e da intervenção profissional. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2002.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed. 2000.

DUFFY, S.P.; MCLEAN, S.L.; MONSHIPOURI, M. Pearson’s r correlation., Retrieved February 20. 2011. Disponível em http://faculty.quinnipiac.edu/libarts/pol sci/Statistics.html . Acessado em 05 set 2017.

GAZZANIGA, M.S.; IVRY, R. B.; MANGUN, G.R. Neurociência Cognitiva: a biologia da mente. 2º edição. Porto Alegre: Artmed. 2006.

MATLIN, M. Psicologia Cognitiva. 5ª edição. Rio de Janeiro: LTC editora. 2004.

MOURA, C.F.M. Construção e validação de um teste de resistência à frustração. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília. 2004.

MOURA, C.F.; PASQUALI, L. Construção de um teste objetivo de resistência à frustração. PsicoUSF, 11, 2, 137-146. 2006.

NATIVIDADE, M. R. Vidas em risco: a identidade profissional dos bombeiros militares. Psicologia & Sociedade, 21, 3. 2009.

NORONHA, A.P.P., VENDRAMINI, C.M.M. (2003) Parâmetros psicométricos: estudo comparativo entre testes de inteligência e de personalidade. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, 16, 1. 2003. Disponível em: . Acessado em: 20 set 2016.

NORONHA, A.P.P.; FREITAS, J.V.; BALDO, C.R.; BARBIN, P.F.; ALMEIDA, M.C. Conhecimento de estudantes a respeito de conceitos de avaliação psicológica. Psicologia em Estudo, 9, 2, 263-269. 2004.

OLIVEIRA, A. Uma breve história da pesquisa da memória. Em A Oliveira (org). Memória: cognição e comportamento. (p. 17-36). São Paulo: Casa do Psicólogo. 2007.

PASQUALI, L. Psicometria: Teoria dos testes na Psicologia e na Educação. Petrópolis: Vozes. 2003.

PRIMI, R. Inteligência: Avanços nos modelos teóricos e nos instrumentos de medida. Avaliação Psicológica, 1, 67-77. 2003.

RABELO, I.S. Teste de Memória Visual para o Trânsito – MVT. Manual técnico. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2013.

RABELO, I.S., PACANARO, S.V., LEME, I.F.S., AMBIEL, R.A.M.; ALVES, G.A.S. Teste de Inteligência Geral Não-Verbal (Beta-III). Manual técnico. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2011.

RAFALSKI, J.C.; ANDRADE, A.L. Prática e Formação: Psicólogos na Peritagem em Porte de Arma de Fogo. Psicologia: Ciência e Profissão, 35, 2, 599-612. 2015.

ROTHMANN, I.; COOPER, C. Fundamentos de psicologia organizacional e do trabalho. Rio de Janeiro: Elsevier. 2009.

ROZENFELD, M. Auto-eficácia, educação e memória. Em A. Oliveira (Org). Memória: cognição e comportamento. (p. 123-138). São Paulo: Casa do Psicólogo. 2007.

SHAPIRO, K.L. The attentional blink: The brain´s eyeblink. Current Directions in Psychology Science, 3, 86-89. 1994.

SISTO, F.F. Teste de Raciocínio Inferencial (RIn). Manual. Vetor Editora Psicopedagógica Ltda. 2006.

SISTO, F.F.; CASTRO, N.R. Escala de Atenção Seletiva Visual (EASV). 1. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2011.

SOUZA, E.R.D.; MINAYO, M.C.D.S. Policial, risco como profissão: morbimortalidade vinculada ao trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 10, p. 917-928. 2005.

STERNBERG, R.J. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Artmed. 2000.

STERNBERG, R.J. Psicologia Cognitiva. 4º edição. Porto Alegre: Artmed. 2008.

THADEU, S.H.; FERREIRA, M.C.; FAIAD, C. A avaliação psicológica em processos seletivos no contexto da segurança pública. Avaliação Psicológica, 11, 2, p. 229-238. 2012. Disponível em . Acessado em 05 set. 2017.

WAGNER, C.J.P. Atenção visual em crianças e adolescentes: um estudo a partir do paradigma de tempo de reação. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v11i32.1975



Direitos autorais 2019 Fundacao Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. EBSCO - Information Services

  3. Edubase

  4. Google Scholar

  5. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  6. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  7. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  8. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  9. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  10. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 
 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.