Prova São Paulo: pontos de tensão na avaliação externa em larga escala municipal

Mauricio de Sousa, Luana Ferrarotto

Resumo


O artigo insere-se nas discussões sobre os sistemas de avaliação externa em nível municipal, objetivou-se comparar os resultados das escolas municipais paulistas, na Prova São Paulo, avaliação externa em larga escala da própria rede, com os obtidos na Prova Brasil, nos anos 2007 a 2012. Através do estudo quantitativo comparativo das médias de proficiências dos estudantes dos 5º e 9º anos, em Português e Matemática, de 435 escolas verificou-se a disparidade entre os resultados na Prova São Paulo comparados com a Prova Brasil. Conclui-se que as avaliações externas em larga escala em nível local são instrumentos importantes para o estabelecimento de políticas públicas que, por um lado, necessitam de mecanismos de meta-avaliação, para não colocar em xeque o próprio instrumento. Por outro, faz-se necessário não atribuir a responsabilidade por tais resultados apenas às escolas e seus atores, deixando de lado o papel do Estado, enquanto responsável por uma educação pública de qualidade.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALAVARSE, Ocimar Munhoz. Avaliar as avaliações em larga escala: desafios políticos. Revista Educação, São Paulo, 12 dez. 2013. Disponível em: http://www.revistaeducacao.com.br/avaliar-as-avaliacoes-em-larga-escala-desafios-politicos/. Acesso em: 25 de maio de 2017.

ALMEIDA, Júlio Gomes; NHOQUE, Janete Ribeiro. Avaliação externa: impactos em uma escola da rede municipal de São Paulo. In. Revista @mbienteeducação. 5(1), p. 83-91, jan/jun, 2012.

ALVES, Maria Teresa Gonzaga; SOARES, José Francisco. As pesquisas sobre o efeito das escolas: contribuições metodológicas para a sociologia da educação. Sociedade e Estado. v. 22, n.2, p. 435-473, 2007.

ALVES, Maria Teresa Gonzaga; SOARES, José Francisco. Contexto escolar e indicadores educacionais: condições desiguais para efetivação de uma política educacional. Educação e Pesquisa, v. 39, n. 1, p. 177-194, 2013.

BAUER, Adriana et. al. Avaliação em larga escala em municípios brasileiros: o que dizem os números?. Estudos em Avaliação Educacional, v. 26, n. 62, p. 326-352, 2015.

BAUER, Adriana. Do direito à educação à noção de quase-mercado: tensões na política de educação básica brasileira. RBPAE, v. 24, n.3, p. 557-575, set.-dez. 2008.

BEKMAN, Roberto M. Aplicação dos blocos incompletos balanceados na Teoria de Resposta ao Item. Estudos em avaliação educacional, n. 24, p. 119-136, 2001.

BORN, Bárbara Barbosa; CHAPPAZ, Raíssa de Oliveira. Currículo e avaliação externa na rede municipal de ensino de São Paulo: Reducionismo ou imbricações?. Roteiro, v. 39, n. 2, p. 371-390, 2014.

BONAMINO, Alicia C; SOUSA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, v. 38, n. 2, p. 373-388, 2012.

CASASSUS, J. Uma nota crítica sobre a avaliação estandardizada: a perda de qualidade e a segmentação social. Sísifo/ Revista de Ciências da Educação, n. 9, maio/ago. 2009.

CHAPPAZ, Raíssa de Oliveira; BORN, Bárbara Barbosa. Influências na constituição do currículo oficial na rede municipal de ensino de São Paulo. Cadernos Cenpec, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 187-208, 2013.

CHAPPAZ, Raíssa de Oliveira; ALAVARSE, Ocimar Munhoz. Avaliação externa na Rede Municipal de Ensino de São Paulo: os desafios da participação docente. Cadernos Cenpec| Nova série, v. 7, n. 2, 2018.

DARLING-HAMMOND, Linda; ASCHER, Carol. Construindo sistemas de controle em escolas urbanas. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 35, p. 7-48, set./dez. 2006.

FREITAS, Luiz Carlos et. al. Avaliação Educacional: caminhando na contramão. 2ª. Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

FREITAS, Luiz Carlos. Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neotecnicismo? Texto apresentado no III Seminário de Educação Brasileira promovido pelo CEDES no Simpósio PNE: Diretrizes para avaliação e regulação da educação nacional, fev. 2011.

GATTI, Bernadete Angelina. Políticas de avaliação em larga escala e a questão da inovação educacional. Revista Série-Estudos, n. 33, p. 29-37, 2012.

GIMENES, Nelson et al. Além da Prova Brasil: investimento em sistemas próprios de avaliação externa. Estudos em Avaliação Educacional, v. 24, n. 55, 2013, p. 12-32.

HOLCOMBE, Rebecca; JENNINGS, Jennifer L.; KORETZ, Daniel. The roots of score inflation: An examination of opportunities in two states' tests. 2013. Disponível em: https://dash.harvard.edu/bitstream/handle/1/10880587/roots%20of%20score%20inflation.pdf?sequence=1. Acesso em: 15 de maio de 2017.

INEP. Relatório SAEB (ANEB e ANRESC) 2005-2015: panorama da década. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2018, 154 p.

KLEIN, Ruben. Alguns aspectos da teoria de resposta ao item relativos à estimação das proficiências. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 21, n. 78, p. 35-56, 2013.

KORETZ, Daniel. Implications of current policy for educational measurement. In: Center for K–12 Assessment & Performance Management, Exploratory Seminar: Measurement Challenges within the Race to the Top Agenda, Princeton, NJ. 2010. Disponível em: http://www.ets.org/Media/Research/pdf/KoretzPresenterSession3.pdf. Acesso em: 12 de maio de 2017.

MACEDO, Letícia. Prefeitura de São Paulo cria novo critério para a avaliação da qualidade as escolas. In: O Globo São Paulo on-line, 27 de julho de 2011. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/07/prefeitura-de-sp-cria-novo-criterio-para-avaliacao-de-qualidade-das-escolas.html. Acesso: 20 mai. 2016.

MACHADO, Cristiane; FREITAS, Pâmela Félix. Gestão escolar e avaliação externa: Experiências de escolas da Rede Municipal de São Paulo. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 3, 2014, p. 113-126.

MACHADO, Cristiane; ALAVARSE, Ocimar Munhoz; OLIVEIRA, Adolfo Samuel. Avaliação da educação básica e qualidade do ensino: estudo sobre os anos finais do ensino fundamental da rede municipal de ensino de São Paulo. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 31, n. 2, p. 335-353, mai/ago 2015.

MADAUS, G.; RUSSEL, M.; HIGGINS, J. The paradoxes of high stakes testing: how they affect students, their parents, teachers, principals, schools, and society. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2009.

O ESTADO DE SÃO PAULO (on line). A extinção da Prova São Paulo. 30 de abril de 2013. Disponível em: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-extincao-da-prova-sao-paulo-imp-,1026992 Acesso: 15 abr. 2015.

PASQUALI, Luiz. Psicometria: teoria dos testes na psicologia na educação. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

PASQUALI, Luiz. Psychometrics. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 43, n. SPE, p. 992-999, 2009.

PASQUALI, Luiz; PRIMI, Ricardo. Fundamentos da teoria da resposta ao item: TRI. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 99-110, , dez. 2003.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Editora Sulina, 2011.

RODRIGUES, Margarida M. M. Proposta de análise de itens das provas do SAEB sob a perspectiva pedagógica e a psicométrica. Estudos em Avaliação Educacional, v. 17, n. 34, p. 43-78, maio/ago. 2006.

SÃO PAULO (Município). Educação no Munícipio de São Paulo: uma proposta para discussão. Diário Oficial da cidade de São Paulo de 24 de fevereiro de 2005a. Disponível em https://www.imprensaoficial.com.br/DO/BuscaDO2001Documento_11_4.aspx?link=/2005/suplemento/diario%2520oficial%2520cidade%2520de%2520sao%2520paulo/fevereiro/24/pag_0001_6E7A5PLQGVHBMeENCUQDIAQPJTK.pdf&pagina=1&data=24/02/2005&caderno=Suplemento%20-%20Di%C3%A1rio%20Oficial%20Cidade%20de%20S%C3%A3o%20Paulo&paginaordenacao=10001. Acesso em 23 de fevereiro de 2016.

SÃO PAULO (Município). Lei nº 14063, de 14 de outubro de 2005b. Institui o sistema de avaliação de aproveitamento escolar dos alunos da rede municipal de ensino de são Paulo, sob a responsabilidade da secretaria municipal de educação. Disponível em: . Acesso: 20 mai. 2015.

SÃO PAULO (Município). Decreto nº 47.683, de 14 de setembro de 2006. Regulamenta a Lei nº 14.063, de 14 de outubro de 2005, que institui o Sistema de Avaliação de Aproveitamento Escolar dos Alunos da Rede Municipal de Ensino de São Paulo, sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Educação. Disponível em: . Acesso: 11 mai. 2015.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Matrizes de referência para a avaliação do rendimento escolar. São Paulo: SME, 2007. 228p.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Matriz de referência para a avaliação do rendimento escolar no ensino fundamental – Ciências Naturais (versão preliminar). São Paulo: SME, 2011. 54p.

SAVIOLI, Márcia Regina. Das potencialidades de uma proposta curricular às fragilidades de um recurso didático: Caderno de apoio e aprendizagem (Língua Portuguesa). 219p. Tese (doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2013.

SIQUEIRA, Valéria Aparecida de Souza. Avaliações externas e trabalho docente: o que dizem os registros de professores?. Cadernos Cenpec| Nova série, v. 7, n. 2, 2018.

SOARES, José Francisco; PEREIRA XAVIER, FLÁVIA. Pressupostos educacionais e estatísticos do Ideb. Educação & Sociedade, v. 34, n. 124, p. 903-923, jul/set. 2013.

SORDI, Mara Regina Lemes. Implicações ético-epistemológicas da negociação nos processos de avaliação institucional participativa. Educação & Sociedade, v. 33, n. 119, p. 485-510, 2012.

SOUSA, Sandra Zákia. Avaliação externa e em larga escala no âmbito do estado brasileiro: interface de experiências estaduais e municipais de avaliação da educação básica com iniciativas do governo federal. In. BAUER, A. e GATTI. B. Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de processos. V. 2. Florianópolis: Insular, 2013, p. 61-86.

SUPOVITZ, Jonathan A. From multiple choice to multiple choices. Education Week Commentary, 1997. Disponível em: http://repository.upenn.edu/gse_pubs/280/. Acesso em: 10 de maio de 2017.

SUPOVITZ, Jonathan. Can high stakes testing leverage educational improvement? Prospects from the last decade of testing and accountability reform. Journal of Educational Change, v. 10, n. 2-3, p. 211-227, 2009. Disponível em: http://www.cpre.org/sites/default/files/journal/1151_2009canhighstakes.pdf. Acesso em: 11 de maio de 2017.

TAKAHASHI, Fábio. Haddad acaba com a prova de Kassab que avaliava escolas de São Paulo. In. Folha on-line. 14 de abril de 2013. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/1261366-haddad-acaba-com-prova-de-kassab-que-avaliava-escolas-de-sao-paulo.shtml Acesso: 20 mai. 2016.

UNB; CESPE. Pesquisa & Avaliação: Revista da Escola: Prova São Paulo 2010. UNB/CESP Coordenadoria e Pesquisa em Avaliação, n. 3. Brasília, 2011, 116p.

VIANNA, Heraldo Marelim. Avaliações nacionais em larga escala: análises e propostas. Estudos em avaliação educacional, n. 27, p. 41-76, jan./jun. 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v11i33.1892



Direitos autorais 2019 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.