Indicadores Educacionais e Proficiência no ENEM: um estudo nos Institutos Federais do Brasil

Rogério Severiano Dutra, Antonio Carlos Dias Coelho, Giselle Bezerra Mesquita Dutra

Resumo


O presente estudo utilizou o modelo de avaliação propostos por Daniel Stufflebeam (2000) para avaliar os possíveis efeitos dos contextos, insumos e processos no produto. O objetivo da pesquisa foi investigar o impacto diferenciador de contextos, insumos e processos presentes nas estruturas educacionais individualizadas de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia do Brasil no desempenho educacional de seus discentes. As informações requeridas constam da base de dados de Indicadores Educacionais para mensurar os atributos da estrutura educacional (contextos, insumos e processos) e, como medida de desempenho educacional (Produto), o ENEM – ambos divulgados pelo INEP referentes ao período de 2013 a 2015. As inferências empíricas são apresentadas por métodos estatísticos univariados e multivariados com uso de dados em painel. Como principal resultado tem-se indícios de que parte dos insumos e processos afetam o desempenho, porém, com baixo poder explanatório, por isso optou-se por rejeitar a hipótese de que o desempenho educacional dos discentes dos Institutos Federais do Brasil é afetado pela especificidade de insumos, processos e contextos associados a cada unidade ou dependência, levantados no estudo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, F.; ORTIGÃO, I.; FRANCO, C. Origem social e risco de repetência: interação raça-capital econômico. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 130, p. 161-180, 2007.

ALVES, M. T. G.; SOARES, J. F. Contexto escolar e indicadores educacionais: condições desiguais para a efetivação de uma política de avaliação educacional. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 177-194, 2013.

ANDRIOLA, W. B. Utilização do Modelo CIPP na Avaliação de Programas Sociais: o caso do projeto educando para a Liberdade da SECAD/MEC. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, Madrid, v. 8, n. 4. p. 32-42, 2010.

ANTUNES, C. F. Cultura organizacional no contexto da expansão da rede federal de educação profissional, científica e tecnológica: um estudo com servidores técnico-administrativos. 106 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação Profissional em Gestão nas Organizações Aprendentes)-Universidade Federal da Paraíba, Paraíba, 2015.

ARAÚJO, F. I. Análise de indicadores de gestão e desempenho acadêmico: um estudo de caso dos cursos de graduação do campus da Universidade Federal do Ceará no Cariri. 98f. Dissertação (Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Gestão da Educação Superior)-Universidade Federal do Ceará, Ceará, 2013.

AZEVEDO, C. B. Planejamento docente na aula de história: princípios e procedimentos teórico-metodológicos. Revista Metáfora Educacional, Feira de Santana, n. 14, p. 3-28, 2013.

BALTAGI, B. Econometric analysis of panel data. Nova Jersey, EUA: John Wiley & Sons, 2008.

BARROS, R. P. et al. Determinantes do desempenho educacional no Brasil. Pesquisa, Planejamento e Economia, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, abr. 2001.

BIDDLE, B. J.; BERLINER, D. C. Unequal School Funding in the United States. Educational Leadership, Virgínia, EUA, v. 59, n. 8, p. 48-59, 2002.

BONILHA, U. Qualificação docente e desempenho discente no ensino fundamental brasileiro: um enfoque por fronteiras de produção com múltiplos insumos e múltiplos produtos. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção)-Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

BOWLES, S. Towards and educational production function. In: Hansen, W. L. (Ed). Education, income, and human capital. National Bureau of Economic Research, New York, p. 9-70, 1970. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2017.

CABRITO, B. G. Avaliar a qualidade em educação: avaliar o quê? Avaliar como? Avaliar para quê. Cadernos Cedes, Campinas, SP, v. 29, n. 78, p. 178-200, 2009.

CRONBACH, L. J. Course Improvement through evaluation. Teachers College Record, New York, v. 64, n. 8, p. 672-683, 1963.

DOURADO, L. F. OLIVEIRA, J. F.; SANTOS; C. (Org.). A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília: INEP/MEC, 2007. (Série Textos para discussão: n. 24).

EHRENBERG, R. E. et al. The class size controversy. Working Paper, [S.l.], n. 14, 2001.

FÁVERO, L. P. et al. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FERRÃO, M. E. et al. O SAEB – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica: objetivos, características e contribuições na investigação da escola eficaz. Revista Brasileira de Estudos de População, Belo Horizonte, v. 18, n. 1-2, p. 111-130, 2001.

FETTERMAN, D. M. Foundations of empowerment evaluation. Cambrige: Sage Publications, 2001. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2017.

FREITAS, H. C. L. Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 85, p. 1095-1124, dez. 2003.

GADOTTI, M. Qualidade na educação: uma nova abordagem. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2010.

GOMES, C. A. S. Avaliação do Programa Um computador por Aluno (PROUCA) sob a ótica do modelo CIPP. 261 f. Tese (Doutorado)–Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2017.

GONDIM, S. M. G. Perfil profissional e mercado de trabalho: relação com formação acadêmica pela perspectiva de estudantes universitários. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, v. 7, n. 2, p. 299-309, 2002.

GUBA, E.; LINCOLN, Y. Effective evaluation. San Francisco: Jossey-Bass, 1988.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Indicadores educacionais. Brasília, DF, 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2019.

HAIR JUNIOR, J. F. et al. Análise Multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HANUSHEK, E. A.; RAYMOND, M. E. Does school accountability lead to improved student performance?. Journal of policy analysis and management, [S.l.], v. 24, n. 2, p. 297-327, 2005.

HANUSHEK, E. A.; WOESSMANN, L. The role of school improvement in economic development. CESifo Working Paper. [S.l.], n. 1911, fev. 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2017.

HATTIE, J. The paradox of reducing class size and improving learning outcomes. International Journal of Educational Research, Amsterdã, v. 43, n. 6, p. 387-425, 2005.

LEE, V. Utilização e modelos hierárquicos lineares para estudar contextos sociais. In: BROOKE, N.; SOARES, J. F. (Ed.). Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 273-298.

LÖBLER, M. L. Acesso e uso da Tecnologia da Informação em escolas públicas e privadas de ensino médio: o impacto nos resultados do ENEM. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, Niterói, v. 5, n. 2, p. 67-84, 2010.

MARTINS, G. A.; THÉOPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

MATIZ, L.; LOPES, A. Áreas do saber, formação inicial e vivências de inserção profissional de professores principiantes: reflexões sobre dados exploratórios. In: CONGRESSO INTERNACIONAL GALEGO-PORTUGUÊS DE PSICOPEDAGOGIA, 10., 2009. Braga. Anais... Braga: Universidade do Minho. 2009. p. 1.416-1.429.

MEDEIROS, R. A. S. M. O Impacto do programa de iniciação científica (CNPq) na carreira do graduando, à luz dos fenômenos de mentoria e de competência: o caso dos alunos do curso de Administração da UFPE. 209 f. Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Pernambuco. Pernambuco, Recife, 2005.

NERI, M. Tempo de permanência na escola. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

NUNES, J. M. C. P. Sujeitos da educação de jovens e adultos: produção da permanência no ensino médio regular noturno. 2010. 162 p. Dissertação (Mestrado)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

OLIVEIRA, I. B.; COUTINHO, M. C. G. C. Evasão na EJA–histórias de abandono? Usos e táticas de praticantes na autogestão da vida. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, [S.l.], v. 21, 2013.

PARLETT, M.; HAMILTON, D. Evaluation as ilumination: a new aproach to the study of innovatory programs. In: GLASS, G. V. (Ed.). Evaluation studies review annual. Beverly Hills: Sage, 1976. v. 1.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens, entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PIRES, M. A.; VEIT, E. A. Tecnologias de Informação e Comunicação para ampliar e motivar o aprendizado de Física no Ensino Médio. Revista brasileira de ensino de física. São Paulo, v. 28, n. 2 abr./jun. 2006, p. 241-248, 2006.

ROWE, D. E. O.; BASTOS, A. V. B.; PINHO, A. P. M. Comprometimento e entrincheiramento na carreira: um estudo de suas influências no esforço instrucional do docente do ensino superior. RAC-Revista de Administração Contemporânea, Maringá, v. 15, n. 6, 2011.

SAUL, A. M. Avaliação emancipatória: desafio à teoria e à prática de avaliação e reformulação de currículo. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1988.

SCRIVEN, M. The logic and methodology of checklists. Michigan: Western Michigan University Editor, 2007. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2017.

SILVESTRE, A. L. Análise de dados e estatística descritiva. Portugal: Escolar Editora; Forte da Casa, 2007.

SOARES, S.; SÁTYRO, N. O impacto de infra-estrutura escolar na taxa de distorção idade-série das escolas brasileiras de ensino fundamental: 1998 a 2005, Brasília, DF: IPEA, 2008. (Texto para Discussão).

SOUZA, N. V. D. D. O et al. Perfil socioeconômico e cultural do estudante ingressante no Curso de Graduação em Enfermagem. Revista de enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 718-722, 2013.

STAKE, R. E. Case study methodology in social inquire. Educational Researcher, Washington, v. 7, p. 5-8, 1978.

STUFFLEBEAM, D. L. The CIPP model for evaluation. In: STUFFLEBEAM, D. L.; MADAUS, G. F.; KELLAGHAN, T. Evaluation models: viewpoints on educational and human services evaluation. 2. ed. Massachusetts: Kluwer Academic Publishers, 2000.

TRAVITZKI, R. ENEM: limites e possibilidades do Exame Nacional do Ensino Médio enquanto indicador de qualidade escolar. 2013. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2013.

TYLER, R. W. Princípios básicos de currículo e ensino. 9. ed. Rio de Janeiro: Globo, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v11i31.1781



Direitos autorais 2019 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. Edubase 

  3. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  4. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  5. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  6. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  7. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

  8. Google Scholar
  9. REDIBRed Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

 
 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.