Sistema de Ensino Naval: uma experiência na pratica do ensino por competências

Luiza de Sousa Ferreira de Mendonca, Natalia Morais Correa Borges Aguiar, Rosa Neira Dopcke

Resumo


O presente artigo aborda a experiencia do Curso de Formação de Marinheiros (MN) na Marinha do Brasil na concepcao de Curriculo por competencias. Tem como objetivo apresentar a metodologia de mapeamento das competencias e dos perfis profissionais sistematizados pelo itinerario formativo atinente à profissao do MN, para o exercicio de tarefas, atividades e funcoes da Forca. Para acompanhar esse processo de formação, foi adotado um calendario unificado de atividades nas quatro Escolas de Aprendizes-Marinheiros (EAM) e desenvolvida uma sistematica de avaliação que possibilite avaliar as competencias delineadas no curriculo por meio de provas padronizadas. Serao apresentados os resultados do desempenho academico dos alunos das quatro EAM e analisados, comparativamente, em relação ao desempenho da turma do ano anterior, indicando uma melhora do desempenho dos alunos e a evolução qualitativa da turma de 2017, apos  implementadas acoes em busca de uma formação continua e progressiva.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDAO, H. P. Mapeamento de competencias: metodos, tecnicas e aplicacoes em gestao e pessoas. Sao Paulo: Atlas, 2012.

BRASIL. Ministerio da Defesa. Marinha do Brasil. Portaria n431/2009. Aprova a Politica de Ensino da Marinha (PoEnsM). Brasilia, 2009.

BRASIL. Marinha do Brasil. Diretoria de Ensino da Marinha. Curriculo [do] Curso de Formacao de Marinheiros (C-FMN). Rio de Janeiro: DEnsM, 2016a.

_____. Portaria n197/2016. Aprova a Metodologia para a Elaboracao e Revisao de Curriculos por Competencias, para uso experimental, no Curso de Formacao de Marinheiros para Ativa (C-FMN), e no Curso de Subespecializacao de Submarinos (C-Subespc-SB), e para os demais cursos do Sistema de Ensino Naval (SEN). Rio de Janeiro: DEnsM, 2016b.

_____. DEnsM-1003. Catalogo de Referencial de Competencias (RC) dos Marinheiros do Quadro de Pracas da Armada (QPA), das Especialidades e Subespecialidades do Corpo de Pracas da Armada (CPA). 1a Rev. Rio de Janeiro: DEnsM, 2017.

CARBONE (2012). Emergencia e performance do capital humano: estudo de caso em banco de varejo. Tese (doutorado em economia de empresas). In: CARBONE, P. P. et al. Gestao por competencias. Rio de Janeiro: Editora FVG, 2016.

CARBONE, P. P.et al. Gestao por competencias. Rio de Janeiro: Editora FVG, 2016.

CARBONE, P. P.et al. Gestao por competencias e gestao do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2005.

CARBONE e RUFATTO JR (2006). O sistema de desenvolvimento profissional e de gestao por competencias do BB. In: CARBONE, P. P. et al. Gestao por competencias. Rio de Janeiro: Editora FVG, 2016.

DUTRA, J. S., FLEURY, M. T., RUAS, R (org.). Competencias:conceitos, metodos e experiencias.Sao Paulo: Atlas, 2012.

ELLIOT, L. G. (org.). Instrumentos de avaliacao e pesquisa: caminhos para construcao e validacao.Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.

FERNANDES, D. Avaliar para aprender: fundamentos, praticas e politicas. Sao Paulo: Editora UNESP, 2009.

FREITAS, I. A. Trilhas de desenvolvimento profissional: da teoria pratica. In: Anais do 26 ENANPAD. Salvador: ANPAD, 2002.

FREITAS, I. A. de; BRANDAO, H. P. Trilhas de Aprendizagem como estrategia para Desenvolvimento de Competencias. ENANPAD, 2005. Disponivel em: . Acesso em: 15 nov. 2017.

LE BOTERF, G. Competence et navigation professionnelle. Paris: Editions dOrganisation, 1999.

SCALLON, G. (2004). L'evaluation des apprentissages dans une approche par competences. Bruxelles: de Boeck. In: FERNANDES, D., Avaliar para Aprender: fundamentos, praticas e politicas. Sao Paulo: Editora UNESP, 2009.

SPENCER, L. M.; MCCLELLAND, D. C.; SPENCER, S. M. Competency assessment methods: history and state of the art.Boston: Hay/McBer Research Press, 1994.

ZABALA, A. A pratica educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

ZARIFIAN, P. Objetivo competencia: por uma nova logica. Sao Paulo: Atlas, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v10i30.1728



Direitos autorais 2018 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  3. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  4. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  5. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  6. Qualis/CAPES - Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior (Brasilia, DF)

  7. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

  8. Google Scholar

 

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank