Sistema de Ensino Integral: um estudo avaliativo

Elaine Domingues da Silva Freitas, Ligia Gomes Elliot

Resumo


Esse estudo focaliza a avaliação da qualidade da Proposta de Ensino Integral do Colégio Instituto Padre Leonardo Carrescia, colégio católico da rede particular do Rio de Janeiro. O Ensino Integral vem sendo acolhido pela educação para atender às novas necessidades da sociedade e tentar formar alunos pensantes dentro de uma vivência socializada e predominante em seus valores. Ao avaliar o processo de ensino e de aprendizagem, sua metodologia, projetos, estrutura e desenvolvimento no seu âmbito geral, o estudo destaca a contribuição da Proposta inovadora para o campo da Educação. O estudo incluiu o acompanhamento do processo de desenvolvimento da Proposta, relato de opiniões, sugestões e respostas de questionários direcionados de acordo com as observações sobre os stakeholders (envolvidos no contexto). Com o intuito de assegurar a fidedignidade da avaliação, desde a sua concepção até seus resultados, foram ponderados os valores, as preocupações e as percepções dos interessados na Proposta de Ensino em questão. Concluiu-se que a Proposta de Ensino Integral apresenta uma forte tendência de qualidade e não somente de maior quantidade de horas do aluno dentro da escola.

Palavras-chave


Ensino Integral; Avaliação; Sistema de Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da [República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Senado Federal. Lei nº 234 de 02 de agosto de 2006. Altera os arts. 24 e 34 da Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para instituir a jornada de tempo integral no ensino fundamental, no prazo de 5 (cinco) anos. [Diário do Senado Federal], Brasília, DF, 05 dez. 2006. p. 36836-36838. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2009.

CAVALIERE, A. M. V. Escolas de tempo integral: uma ideia forte, uma experiência frágil. In: COELHO, L. M.; CAVALIERE, A. M. V. (Org.). Educação brasileira e(m) tempo integral. Petrópolis: Vozes, 2002.

CUNHA, R. R. da. Tempo integral melhora ensino. O Popular. Goiânia, jul. 2008. Disponível em: . Acesso em: 29/10/2009.

CURY, C. R. J. Legislação educacional brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

FERRARI, M. Henri Wallon: o educador integral. Nova Escola, São Paulo, out. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2009.

FONG, D. Escolas de turno integral ganham espaço na Alemanha. Deustch Welle: Bonn, mar. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15/9/2009.

FREITAS, E. D. da S. Sistema de ensino integral: qualidade ou quantidade? 2009. 60 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Avaliação)–Programa de Pós-Graduação em Avaliação, Fundação Cesgranrio, Rio de Janeiro, 2009.

GUARÃ, I. M. F. R. Educação integral: articulação de projetos e espaços de aprendizagens: artigos CENPEC. [200?]. Disponível em: . Acesso em: 20/05/2008.

MAXI lança ensino integral. Revista Maxi In, São Paulo, n. 35, out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2009. (Entrevista com Virgílio Tomasetti Junior).

REIS, V. Proposta de ensino integral do Instituto Padre Leonardo Carrescia: um pouco da história. Rio de Janeiro, 2009. (Depoimento).

SAVIANI, N. Saber escolar: currículo e didática. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2000.

SCRIVEN, M. The methodology of evaluation. In: STAKE, R. E. (Ed.). Curriculum evaluation. Chicago: Rand McNally, 1967. (AERA Monograph Series on Curriculum Evaluation; v. 1).

______. The logic of evaluation. [S. l.]: Edgepress, 1981.

VIANNA, H. M. Avaliação educacional: teoria, planejamento e modelos. São Paulo: Ibrasa, 2000.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Ed. Gente, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v5i14.172



Direitos autorais 2015 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.