Quando a Avaliação Revela mais as Concepcoes do Avaliador do que Sobre o Perfil dos Sujeitos Avaliados, na Educação Infantil

Soraia Oliveira da Cunha Silva

Resumo


O trabalho consiste em uma pesquisa descritiva no contexto de Instituicoes de Educação Infantil do municipio de Barreiras Bahia, com o objetivo de analisar a relação existente entre os instrumentos utilizados para a avaliação das criancas de pre-escola e a concepcao das docentes sobre avaliação de aprendizagem na Educação Infantil. Os procedimentos de coleta de dados foram a proposicao de questionarios e analise documental dos relatorios de avaliação elaborados pelas professoras. Os resultados demonstram uma concepcao de avaliação como um processo espontâneo e o relatorio como principal instrumento utilizado. Nesse sentido, as professoras tem nao apenas insegurancas, insatisfacoes e dificuldades operacionais para realização de seu trabalho, como tambem dificuldades conceituais a respeito das especificidades do processo de acompanhamento das aprendizagens e avaliação do desenvolvimento das criancas e respectivos instrumentos de coleta de informações e registro de avaliação.

Palavras-chave


Educação Infantil; Avaliação; Instrumentos; Concepcao Docente

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, A. Martins; L. M. A EducaA§A£o Infantil e o Ensino Fundamental de nove anos. In. ARCE, A.; Martins, L. M.(org.) Quem tem medo de ensinar na educaA§A£o Infantil?: em defesa do ato de ensinar. 2Âa. Ed. Campinas, SP: AlA­nea, 2010.

BARDIN, L. AnA¡lise de conteAºdo. Lisboa: EdiA§Aµes 70, 1977.

BARBOSA, M. C. S. O acompanhamento das aprendizagens e a avaliaA§A£o. Revista PA¡tio EducaA§A£o Infantil, ano II, n 4, abr/jul, 2004, p.16-19.

GENTILE, P. ANDRADE, C. Os nove jeitos mais comuns de avaliar. Revista Nova Escola: AvaliaA§A£o nota 10, novembro, 2001, p.18-19.

GODOI, E. G. AvaliaA§A£o na EducaA§A£o Infantil: um encontro com a realidade, Porto Alegre: MediaA§A£o, 2 ed, 2006.

HOFFMANN, J. M. L. AvaliaA§A£o na prA©-escola: um olhar sensA­vel e reflexivo sobre a crianA§a. Porto Alegre: MediaA§A£o, 12 ediA§A£o, 2004.

JUNQUEIRA FILHO, G. A. EstA¡ nascendo uma pedagogia da infA¢ncia. Revista PA¡tio EducaA§A£o Infantil, ano VII, n. 21, Nov/Dez 2009, p.10-13.

LOPES, A. C. T. EducaA§A£o Infantil e registro de prA¡ticas. SA£o Paulo: Cortez, 2009. (ColeA§A£o docAancia em formaA§A£o. SA©rie educaA§A£o infantil).

LAœDKE, M.; ANDRA‰, M. E. D. A. Pesquisa em educaA§A£o: abordagens qualitativas. SA£o Paulo: EPU, 1986. (ColeA§A£o Temas bA¡sicos de educaA§A£o e ensino)

MEIRIEU, P. Aprender...Sim, mas Como?. 7Âa ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

PROENA‡A, M. A. R. A rotina como A¢ncora do cotidiano na EducaA§A£o Infantil. Revista PA¡tio EducaA§A£o Infantil, ano II, n 4, abr/jul, 2004, p.13-15.

ROEGIERS, X. Aprendizagem integrada: situaA§Aµes do cotidiano escolar. Porto Alegre: Artmed, 2006.

SILVA, S. O. C. ConcepA§A£o docente sobre avaliaA§A£o qualitativa da aprendizagem no ensino fundamental: uma interpretaA§A£o da LDB 9394/96. Revista Meta: AvaliaA§A£o, Rio de Janeiro, v.2, n. 6, p. 334-357, set./dez. 2010.

ZABALZA, M. A. Cuidado versus EducaA§A£o: O dilema Institucional das Escolas Infantis. Revista PA¡tio EducaA§A£o Infantil, ano II, n 4, abr/jul, 2004, p.13-15




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v4i12.162



Direitos autorais 2015 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  3. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  4. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  5. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  6. Qualis/CAPES - Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior (Brasilia, DF)

  7. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

  8. Google Scholar

 

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank