Quando a Avaliação Revela mais as Concepções do Avaliador do que Sobre o Perfil dos Sujeitos Avaliados, na Educação Infantil

Soraia Oliveira da Cunha Silva

Resumo


O trabalho consiste em uma pesquisa descritiva no contexto de Instituições de Educação Infantil do município de Barreiras Bahia, com o objetivo de analisar a relação existente entre os instrumentos utilizados para a avaliação das crianças de pré-escola e a concepção das docentes sobre avaliação de aprendizagem na Educação Infantil. Os procedimentos de coleta de dados foram a proposição de questionários e análise documental dos relatórios de avaliação elaborados pelas professoras. Os resultados demonstram uma concepção de avaliação como um processo espontâneo e o relatório como principal instrumento utilizado. Nesse sentido, as professoras têm não apenas inseguranças, insatisfações e dificuldades operacionais para realização de seu trabalho, como também dificuldades conceituais a respeito das especificidades do processo de acompanhamento das aprendizagens e avaliação do desenvolvimento das crianças e respectivos instrumentos de coleta de informações e registro de avaliação.

Palavras-chave


Educação Infantil; Avaliação; Instrumentos; Concepção Docente

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, A. Martins; L. M. A Educação Infantil e o Ensino Fundamental de nove anos. In. ARCE, A.; Martins, L. M.(org.) Quem tem medo de ensinar na educação Infantil?: em defesa do ato de ensinar. 2ª. Ed. Campinas, SP: Alínea, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARBOSA, M. C. S. O acompanhamento das aprendizagens e a avaliação. Revista Pátio Educação Infantil, ano II, n 4, abr/jul, 2004, p.16-19.

GENTILE, P. ANDRADE, C. Os nove jeitos mais comuns de avaliar. Revista Nova Escola: Avaliação nota 10, novembro, 2001, p.18-19.

GODOI, E. G. Avaliação na Educação Infantil: um encontro com a realidade, Porto Alegre: Mediação, 2 ed, 2006.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação na pré-escola: um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. Porto Alegre: Mediação, 12 edição, 2004.

JUNQUEIRA FILHO, G. A. Está nascendo uma pedagogia da infância. Revista Pátio Educação Infantil, ano VII, n. 21, Nov/Dez 2009, p.10-13.

LOPES, A. C. T. Educação Infantil e registro de práticas. São Paulo: Cortez, 2009. (Coleção docência em formação. Série educação infantil).

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. (Coleção Temas básicos de educação e ensino)

MEIRIEU, P. Aprender...Sim, mas Como?. 7ª ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

PROENÇA, M. A. R. A rotina como âncora do cotidiano na Educação Infantil. Revista Pátio Educação Infantil, ano II, n 4, abr/jul, 2004, p.13-15.

ROEGIERS, X. Aprendizagem integrada: situações do cotidiano escolar. Porto Alegre: Artmed, 2006.

SILVA, S. O. C. Concepção docente sobre avaliação qualitativa da aprendizagem no ensino fundamental: uma interpretação da LDB 9394/96. Revista Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v.2, n. 6, p. 334-357, set./dez. 2010.

ZABALZA, M. A. Cuidado versus Educação: O dilema Institucional das Escolas Infantis. Revista Pátio Educação Infantil, ano II, n 4, abr/jul, 2004, p.13-15




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v4i12.162



Direitos autorais 2015 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.