Concepções de Professores de Biologia sobre Avaliação: um estudo de Caso

Carlos Bruno Cabral de Oliveira, Mariana Guelero do Valle, Brenna Yonarah Santiago Avelar

Resumo


Este trabalho objetivou analisar as concepções de professores de Biologia sobre avaliação, tendo como foco os entendimentos sobre a temática presentes em seus discursos, bem como identificar as estratégias e instrumentos utilizados. Esta pesquisa se caracteriza como um estudo de caso e foi realizada com os professores de Biologia de uma escola pública, em que os dados foram coletados por meio de observações de aulas e entrevistas semiestruturadas com os docentes. Realizou-se análise de conteúdo dos dados obtidos das entrevistas. Foram identificados elementos de concepção formativa, ainda que elementos somativos tenham prevalecido em alguns entendimentos. Desse modo, trabalhar as concepções de avaliação dos professores é imprescindível para o alcance de práticas avaliativas que favoreçam as individualidades dos alunos.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. Augusto Luís Antero Reto. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, 1999.

BIZZO, N. Metodologia do ensino de Biologia e estágio supervisionado. São Paulo: Ática, 2012.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Qualitative research for education: an introduction to theories and methods. 5th ed. Boston: Pearson, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Trad. Patrícia C. Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à Universidade. Porto Alegre: Mediação, 2003.

INEP. Indicadores de Fluxo Escolar da Educação Básica. Brasília: INEP/ Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/apresentacao/2017/apresentacao_indicadores_de_fluxo_escolar_da_educacao_basica.pdf. Acesso em: 18/09/2017.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARANDINO, M; SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

ONU. Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Praticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Salamanca: S.l., 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 16/09/2017.

PERRENOUD, P. Da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SCRIVEN, M. S. The methodology of evaluation. In: TYLER, R.; GAGNE, R.; SCRIVEN, M., Perspectives of curriculum evaluation. AERA Monograph Series on Curriculum Evaluation. p. 39–83. Chicago: Rand McNally, 1967.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2006.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v10i28.1555



Direitos autorais 2018 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.