A Constrição do Currículo e do Ensino às Exigências das Avaliações Externas como Via para a Obtenção de "Bons" Resultados Educacionais

Antônia Bruna da Silva, Cássia Karize de Andrade Brasil

Resumo


O presente estudo foi realizado em uma escola pública municipal do Estado do Ceará que, no ano de 2015, ficou entre as cinco escolas do Brasil com melhor Índice de desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) para os anos iniciais do Ensino Fundamental. A investigação foi conduzida com o escopo de identificar especificidades do trabalho desenvolvido pela escola que corroboraram para a obtenção do referido resultado, analisando se a reordenação do currículo e do ensino em favor das avaliações externas situa-se entre elas. Com base nas informações fornecidas pelo gestor e pelo professor entrevistados, percebeu-se que o alinhamento do currículo e do ensino às avaliações externas tem sido adotado na escola estudada. Todavia, o resultado obtido pela escola não é creditado apenas a essa prática especificamente, mas a uma série de fatores que têm a exaltação da aprendizagem como princípio orientador.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERNAZ, Â.; FERREIRA, F. H. G.; FRANCO, C. Qualidade e eqüidade no Ensino Fundamental brasileiro. Pesquisa e Planejamento Econômico, ppe, v.32, n.3, dez 2002.

ANDRADE, J. M.; LAROS, J. A. Fatores Associados ao Desempenho Escolar: Estudo Multinível com Dados do SAEB/2001. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, vol. 23, n. 1, p. 33-42, Jan-Mar 2007.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da

educação nacional. Disponível em: Acesso em: 18 mar. 2017.

COUTINHO, M. S. Avaliação externa e currículo: possíveis impactos e implicações no processo de ensino aprendizagem. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 16., 2012, Campinas. Anais... Campinas: UNICAMP, 2012. p. 18-28.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação e transformações da Educação Superior brasileira (1995-2009): do PROVÃO ao SINAES. Avaliação, Campinas, v. 15, n. 1, p. 195-224, mar. 2010.

FISCHER, B. T. D. Avaliação da aprendizagem: a obsessão pelo resultado pode obscurecer a importância do processo. In: WERLE, F. O. C. (Org.). Avaliação em larga escala: foco na escola. Brasília, DF: Liber, 2010. p. 37-49.

MENEZES-FILHO, N. Os determinantes do desempenho escolar no Brasil. Instituto Futuro Brasil, IBMEC São Paulo e Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. Sumário Executivo, 2007.

VEIGA-NETO, A. Delírios Avaliativos: o currículo desvia para a direita ou um farol para o currículo. In: FAVACHO, A. M. P.; PACHECO, J. A.; SALES, S. R. (Orgs.). Currículo: conhecimento e avaliação. Curitiba: Editora CRV, 2013, p. 108-122.

SOUSA, S. Z. Avaliação externa em larga escala no âmbito do estado brasileiro: interfacede experiências estaduais e municipais de avaliação da educação básica com iniciativas do governofederal. In: BAUER, A.; GATTI, B. A. (Orgs.). Vinte e cinco anos de avaliação desistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação deprofessores. Florianópolis: Insular, 201, p. 61-85.

SOUSA, S. M. Z. L. Possíveis impactos das políticas de avaliação no currículo escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.119, p. 175-190, jul. 2003.

SOUZA, A. M. Determinantes da aprendizagem em escolas municipais. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.13, n.49, p. 413-434, out./dez. 2005.

TORRECILLA, F. J. M. Um panorama da pesquisa ibero-americana sobre a eficácia escolar. In: BROOKE, N.; Soares, J. F. Pesquisa em eficácia escolar. Origem e trajetórias. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v10i29.1528



Direitos autorais 2018 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.