Um Estudo sobre a Utilização da ANOVA de uma Via na Produção Científica na Área de Psicologia

Emanuel Duarte Cordeiro, Marcio Braga Melo, Sheyla Christine Fernandes

Resumo


A ANOVA de uma via é uma técnica estatística amplamente utilizada na psicologia. Seu modelo apresenta uma série de informações necessárias para a melhor compreensão dos critérios adotados em sua execução. Assim, objetivou-se analisar artigos publicados entre 2002 e 2016 considerando a descrição de informações essenciais, como o teste post hoc utilizado e valores F, gl e p, na execução da ANOVA de uma via em um periódico de psicologia. Os resultados indicaram que 60% dos artigos que utilizaram essa técnica descreveram detalhadamente seus resultados, enquanto 40% apresentaram lacunas nessa descrição. Discute-se que embora o número de artigos que apresentam lacunas na apresentação de seus resultados seja menor que o daqueles que os descrevem detalhadamente, trata-se, ainda, de uma porcentagem elevada. Conclui-se que essas lacunas podem levar a uma impossibilidade de replicação das análises efetuadas, servindo como alerta ao uso de técnicas estatísticas e à descrição de resultados.

Palavras-chave: ANOVA; Revisão; Descrição de resultados; Psicologia.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, F. T.; SOUZA, D. A. Frequência do uso adequado dos testes estatísticos nos artigos originais publicados na Revista Brasileira de Anestesiologia entre janeiro de 2008 e dezembro de 2009. Revista Brasileira Anestesiol, p. 528-536, 2010.

BERTOLDO, J. G. et al. Problemas relacionados com o uso de testes de comparação de médias em artigos científicos. Biotemas, v. 21, n. 2, p. 145-153, 2008.

BORGES, L. C.; FERREIRA, D. F. Poder e taxas de erro tipo I dos testes Scott-Knott, Tukey e Student-Newman-Keuls sob distribuições normal e não normais dos resíduos. Revista de matemática e estatística, v. 21, n. 1, p. 67-83, 2003.

BROWNLEE, K. A. Statistical theory and methodology in science and engineering. New York: Wiley, 1965.

CARDELLINO, R. A.; SIEWERDT, F. Utilização adequada e inadequada dos testes de comparação de médias. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, v. 21, n. 6, p. 985-995, 1992.

COZBY, P. C. Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. Atlas, 2006.

DAMÁSIO, B. F. Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Avaliação psicológica, v. 11, n. 2, 2012.

Devine, P. Open letter to the SPSP membership regarding ethical conduct on research. Dialogue: The official Newsletter of the Society for Personality and Social Psychology, 26(2),2-3, 2012

GLANTZ, S. A. Biostatistics: how to detect, correct and prevent errors in the medical literature. Circulation, v. 61, n. 1, p. 1-7, 1980.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. Bookman Editora, 2009.

IGNÁCIO, S. A. Importância da estatística para o processo de conhecimento e tomada de decisão. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD, n. 118, p. 175-192, 2012.

KLEIN, R. et al. Data from investigating variation in replicability: A “Many Labs” Replication Project. Journal of Open Psychology Data, v. 2, n. 1, 2014.

LAGE, M. C.; GODOY, A. S. Computer-aided qualitative data analysis: Emerging questions. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 4, p. 75-98, 2008.

LOVATTO, P. A. et al. Meta-análise em pesquisas científicas-enfoque em metodologias. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 36, p. 285-294, 2007.

MORRISON, D. F. Multivariate analysis, overview. John Wiley & Sons, Ltd, 1998.

MURTA, S. G. Aplicações do treinamento em habilidades sociais: análise da produção nacional. Psicologia: Reflexão e crítica, v. 18, n. 2, p. 283-291, 2005.

NETO, F. B.; NUNES, G. H. S.; DE NEGREIROS, M. Z.. Avaliação de procedimentos de comparações múltiplas em trabalhos publicados na revista Horticultura Brasileira de 1.983 a 2.000. Horticultura brasileira, v. 20, n. 1, 2002.

OLIVEIRA, R. R. et al. Um estudo sobre a utilização da modelagem de equações estruturais na produção cientifica nas áreas de administração e sistemas de informação. Brazilian Journal of Management/Revista de Administração da UFSM, v. 9, 2016.

PAES, Â. T. Itens essenciais em bioestatística. Arquivos brasileiros de cardiologia, v. 71, n. 4, p. 575-580, 1998.

PRADO, O. Z. Softwares para psicologia: regulamentação, produção nacional e pesquisas em psicologia clínica. Boletim de Psicologia, v. 55, n. 123, p. 177-188, 2005.

RONDINI, C. A. et al. Leitura crítica dos procedimentos estatísticos aplicados no campo da psicologia. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 34, n. 3, p. 605-613, 2016.

SACCO, A. M.; COUTO, M. C. P.; KOLLER, S. H. Revisão sistemática de estudos da psicologia brasileira sobre preconceito racial. Temas em Psicologia, v. 24, n. 1, p. 233-250, 2016.

KLOCKARS, A. J.; SAX, G. Multiple comparisons. Sage, 1986.

SCHEFFE, H. A method for judging all contrasts in the analysis of variance. Biometrika, v. 40, n. 1-2, p. 87-110, 1953.

DE SOUSA, C. A.; JUNIOR, M. A. L.; FERREIRA, R. L. C.. Avaliação de testes estatísticos de comparações múltiplas de médias. Ceres, v. 59, n. 3, 2015.

SOARES DE SOUZA, M. T.; DE OLIVEIRA CERVENY, C. M.. Resiliência psicológica: revisão da literatura e análise da produção científica. Interamerican journal of psychology, v. 40, n. 1, 2006.

TABACHNICK, B. G.; FIDELL, L. S.; OSTERLIND, S. J. Using multivariate statistics. 2001.WISE, S. L. Applied statistics-analysis of variance and regression, -dunn, oj, clark, va. 1990.

Witz, K.. Applied statistics for behavioral sciences. Journal of Educational Statistics, 15(1), 84-87, 1990.

ZANELLA, A. V.; TITON, A. P.. Análise da produção científica sobre criatividade em programas brasileiros de pós-graduação em psicologia (1994-2001). Psicologia em estudo, v. 10, n. 2, p. 305-316, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v10i28.1455



Direitos autorais 2018 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.