Literacia Historica e Ensino Medio: avaliando a consciencia historica pelo ENEM

Paulo Raphael Feldhues

Resumo


A ideia de uma literacia historica surge nos anos 80, associada à nocao de consciencia historica, e requer uma compreensao do carater particular da epistemologia desta ciencia e de sua cognicao. Defende-se neste artigo que literacia historica e objetivo a ser almejado ainda na Educação Basica e, portanto, criterio para conclusao do Ensino Medio. Propoe-se um metodo hipotetico-dedutivo para elaboração de avaliações de larga escala, onde questoes de múltipla escolha tenham carater qualitativo a partir do criterio de desenvolvimento de alguma tipologia de consciencia historica. Conclui-se que no ENEM de 2016 apenas 37,5% das questoes de Historia mobilizaram algum tipo de consciencia historica pelo respondente, sugerindo descompasso entre a pratica das politicas públicas educacionais voltadas ao Ensino Medio e a teoria das pesquisas recentes em ensino de Historia.

Palavras-chave: ensino de historia; literacia historica; consciencia historica; ENEM.


Texto completo:

PDF

Referências


ANKERSMIT, Franklin Rudolf. A Escrita da Histria: a natureza da representao histrica. Londrina: Eduel, 2012.

BARCA, Isabel. Narrativas e Conscincia Histrica dos Jovens. Enseanza de las Ciencias Sociales: Revista de Investigacin, Barcelona, 2010. p.22-28. Disponvel em: , acessado em 03 mar.2016.

BRASIL. Orientaes Curriculares para o Ensino Mdio: Cincias Humanas e suas tecnologias. Vol. 3. Braslia: Ministrio da Educao, 2006.

______. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educao nacional. Braslia, 1996.

______. Parmetros Curriculares Nacionais do Ensino Mdio. Braslia: Ministrio da Educao, 2000.

______. PCN+ Ensino Mdio Cincias Humanas e suas tecnologias: orientaes educacionais complementares aos parmetros curriculares nacionais. Braslia: Ministrio da Educao, 2002.

Hurd, P. D. Science literacy: its meaning for american schools. Educational Leadership, V.16, 1958. p. 13-16. Disponvel em: , acessado em 12 mar.2016.

LEE, Peter. Em direo a um conceito de literacia histrica. Educar em Revista, Curitiba, Especial, 2006. p. 131-150. Disponvel em: , acessado em 10 dez.2016.

______. Educao Histrica, conscincia histrica e literacia histrica. In: BARCA, Isabel (org.) Estudos de conscincia histrica na Europa, Amrica, sia e frica. Braga: Uminho, 2008.

______; DICKINSON, Alaric; ASHBY, Rosalyn. Project Chata: Concepts of History and Teaching Approaches at Kay Stage 2 and 3 Childrens Understanding of Because and the Status of Explanation in History. Teaching History, Historical Association, London, n.82, 1996. p. 06-11. Disponvel em: , acessado em 10 jun.2016.

OECD. PISA 2015 Results (Volume I): Excellence and Equity in Education. PISA, OECD Publishing, Paris, 2016. Disponvel em: , acessado em 15 fev.2017.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevo de Rezende (Org). Jrn Rsen e o Ensino de Histria. Curitiba: Ed.UFPR, 2011.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa (tomo I). Campinas: Papirus, 1994

RSEN, Jrn. Histria Viva teoria da histria III: formas e funes do conhecimento histrico. Braslia: Editora da Universidade de Braslia, 2007.

______. Reconstruo do Passado teoria da histria II: os princpios da pesquisa histrica. Braslia: Editora da Universidade de Braslia, 2007.

______. Razo Histrica teoria da histria I: os fundamentos da cincia histrica. Braslia: Editora da Universidade de Braslia, 2001.

SANTO AGOSTINHO. Confisses. So Paulo: Nova Cultural (Coleo Os Pensadores), 2000.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Perspectivas da Conscincia Histrica e da Aprendizagem em Narrativas de Jovens Brasileiros. Tempos Histricos, Vol.12, 2008. p.81-96. Disponvel em: < http://e-revista.unioeste.br/index.php/temposhistoricos/article/viewFile/1945/1537>, acessado em 10 fev.2017.

WHITE, Hayden. Meta-Histria: a imaginao histrica no sculo XIX. So Paulo: Edusp, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v9i27.1400



Direitos autorais 2017 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  3. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  4. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  5. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  6. Qualis/CAPES - Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior (Brasilia, DF)

  7. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

  8. Google Scholar

 

 ISSN: 2175-2753

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank