O financiamento da educação pública municipal de Teresina: o custo-aluno/ano

Luis Carlos Sales, Magna Jovina G. S. e Silva

Resumo


Este artigo apresenta resultados da Dissertação de Mestrado: “Custo Direto de Financiamento das Escolas Públicas Municipais de Teresina - Piaui”, tendo como objetivo determinar os custos educacionais do municipio, especificamente aqueles relacionados ao custo direto de funcionamento de 17 escolas municipais. A referida dissertação procurou responder a tres questionamentos: a) Qual o custo-aluno/ano das escolas públicas do Ensino Fundamental da rede pública municipal de ensino de Teresina em 2006? b) Qual(is) a(s) categoria(s) de insumos apresenta(m) maior participação na composicao do custo direto das escolas municipais e que fatores se apresentam como elementos intervenientes nesse custo? e por fim, c) qual a participação do FUNDEF na composicao do custo-aluno/ano na rede pública municipal de ensino de Teresina em 2006? Para aprofundar o resultado do último questionamento, procurou-se desagregar as despesas/aluno empreendidas pelo municipio de Teresina em 17 escolas públicas municipais, escolhidas intencionalmente e atendendo determinadas caracteristicas, na perspectiva de identificar a participação do Fundef em relação às despesas por escola nas diferentes etapas do Ensino Fundamental em cada zona atendida (rural e urbana). Buscou-se, nos estudos de Schultz (1973), Verhine (1998), Castro (1973), Davies (1999, 2004, 2005) e na legislação educacional vigente, a base epistemologica necessaria para dialogar com os dados coletados. Constatou-se que o custo aluno/ano medio das escolas pesquisadas ficou bem acima do valor aluno/ano definido nacionalmente para Fundef, vindo a reforcar algumas criticas pontuadas na literatura sobre o nao cumprimento, por parte Governo Federal, do que determinava o § 1º do art. 6º da lei 9.424/96 que tratava da metodologia do calculo na definicao do valor minimo nacional.


Palavras-chave


Financiamento do ensino público; Custo-aluno/ano; FUNDEF

Referências


ARELARO, L. FUNDEF: uma avaliacao preliminar dos dez anos de sua implantacao. 2008. 16 f. Disponivel em: . Acesso em: 7 out. 2008.

BRASIL. Ministerio da Educacao. Secretaria de Educacao Media e Tecnologica. Custo-aluno no ensino medio. Brasilia: MEC, SEMTEC, 2002.

_____. Constituicao (1988). Constituicao da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988: atualizada ate 01/01/2003. 2. ed. Sao Paulo: Revista dos Tribunais, 2003a.

______. Emenda constitucional nº. 14, de 12 de setembro de 1996. Modifica os artigos 34, 208, 211 e 212 da Constituicao Federal e da nova redacao ao artigo 60 do Ato das Disposicoes Constitucionais Transitorias. Diario [da República Federativa do Brasil], Brasilia, DF, 13 set. 1996a.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educacao Nacional. Diario [da República Federativa do Brasil], Brasilia, DF, 23 dez. 1996b.

BRASIL. Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispoe sobre o Fundo de Manutencao e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorizacao do Magisterio, na forma prevista no art. 60, § 7º, do Ato das Disposicoes Constitucionais Transitorias e da outras providencias. Diario [da República Federativa do Brasil], Brasilia, DF, 1 jan. 1997.

____. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educacao e da outras providencias. Diario [da República Federativa do Brasil], Brasilia, DF, 10 jan. 2001.

BRASIL. Ministerio da Educacao. Grupo de Trabalho: relatorio final: Portarias nº 71, de 27.01.2003 e nº. 212, de 14.02.2003. Brasilia, DF: 2003b. Disponivel em: . Acesso em: 16 fev. 2004.

BRASIL. Ministerio da Educacao. Portaria nº 71, de 27 de janeiro de 2003. Cria grupo de trabalho para estudar e apresentar proposta de fixacao do valor minimo nacional por aluno/ano para o FUNDEF. FUNDEF, Brasilia, DF, 2003c. Disponivel em: . Acesso em: 2 dez. 2009.

CAMPANHA NACIONAL PELO DIREITO À EDUCACAO (Brasil). Dossie para a oficina custo-aluno-qualidade: financiando a educacao que queremos. Sao Paulo, [200-]. Disponivel em: . Acesso em: 3 dez. 2009.

CASTRO, C. M. Investimento em educacao no Brasil: um estudo socioeconômico de duas comunidades industriais. Rio de Janeiro: IPEA, 1973. (Monografia; 12).

CRUZ, R. E. et. al. O custo-aluno e as condicoes para um ensino de qualidade: o caso do Piaui. In: FARENZENA, N. (Org.). Custos e condicoes de qualidade da educacao em escolas públicas: aportes de estudos regionais. Brasilia, DF: MEC, Inep, 2005.

DAVIES, N. O FUNDEF e as verbas da educacao. Sao Paulo: Xama, 2001.

_____. O FUNDEF e o orcamento da educacao: desvendando a caixa preta. Sao Paulo: Autores Associados, 1999.

____. O financiamento da educacao estatal no Brasil: novos ou velhos desafios?. Sao Paulo: Xama, 2004.

DAVIES, N. O financiamento da educacao estatal no Brasil: novos ou velhos desafios?. Niteroi, RJ: UFF, 2005. Disponivel em: . Acesso em: 5 jun. 2007.

FORUM PERMANENTE DO MAGISTERIO DE EDUCACAO BASICA. Custo-alunoqualidade. Brasilia, DF, 1995.

FUNDACAO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS. Custos na area educacional pública na regiao metropolitana de Sao Paulo. Sao Paulo, 1994.

HARBISON, R. W.; HANUSHEK, E. A. Education performance of the poor: lessons from rural northeast Brazil. New York: Oxford University Press for the World Bank, 1992.

LEVY, S.; CAMPINO, A.; NUNES, E. M. Analise econômica do sistema educacional de Sao Paulo. Sao Paulo: IPE: Comissao Interestadual Bacia Parana-Uruguai, 1970.

LIMA, M. J. R. Repercussoes entre organizacoes e instituicoes da area de educacao In: ______. FUNDEF: registro sobre a evolucao do valor minimo anual por aluno e as repercussoes entre organizacoes e instituicoes. Brasilia, DF, 2002. Disponivel em: . Acesso em: 18 fev. 2004.

MONLEVADE, J. A. Custo-aluno-qualidade: apontamentos para clarear um conceito-chave para o planejamento da educacao In: CAMPANHA NACIONAL PELO DIREITO À EDUCACAO. Dossie para a oficina custo-aluno-qualidade: financiando a educacao que queremos. Sao Paulo, [200-].

OLIVEIRA, R. P. O financiamento da educacao. In: OLIVEIRA, R. P.; ADRIAO, T. (Org.). Gestao, financiamento e direito à educacao: analise da LDB e da Constituicao Federal. 2. ed. Sao Paulo: Xama, 2001.

PARO, V. H. O custo do ensino público no estado de Sao de Paulo: estudo de custo/aluno na rede estadual de primeiro e segundo graus. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, n. 43, nov. 1982.

PINTO, J. M. R. Um fundinho chamado “Fundao”. In: DOURADO, L. F. (Org.). Financiamento da educacao basica. Campinas: Autores Associados; Goiânia: UFG, 1999.

_____. Financiamento da educacao no Brasil: um balanco do Governo FHC (1995-2002). Educacao & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, set. 2002, p. 108-135. Disponivel em: . Acesso em: 20 de set.2008.

RODRIGUEZ, V. Financiamento da educacao e politicas públicas: o FUNDEF e a politica de descentralizacao. Cadernos Cedes, Campinas, n. 55, nov. 2001.

SCHULTZ, T. W. O capital humano: investimentos em educacao e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1973a.

______. O valor econômico da educacao. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1973b.

SILVA, M. J. G. Custo direto de financiamento das escolas públicas municipais de Teresina, Piaui. 2008. Dissertacao (Mestrado) - Universidade Federal do Piaui, Teresina, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 6 jan. 2010.

TERESINA (PI). Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Administracao. Relatorio demonstrativo das receitas e despesas com manutencao e desenvolvimento do ensino. Teresina, 2006.

VAZQUEZ, D. A. Desequilibrios regionais no financiamento da educacao: a politica nacional de equidade do Fundef. Revista de Sociologia e Politica. Curitiba, v. 24, p. 149-164, jun. 2005.

VERHINE, R. E. Determinantes de custos educacionais: uma analise panorâmica do estado da arte. Salvador, 1998. Mimeografado.

XAVIER, A. C. R.; MARQUES, A. E. S. Custo direto de funcionamento das escolas públicas de 1º grau da Regiao Sul. Brasilia, DF: MEC, SEB, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.