Acesso à universidade pública atraves de cotas: uma reflexão a partir da percepcao dos alunos de um pre-vestibular inclusivo

Simao Dias Vasconcelos, Ednaldo Gomes da Silva

Resumo


Cotas para acesso ao ensino superior tem sido implementadas sem o merecido debate com os diversos segmentos envolvidos, incluindo os professores e os candidatos à universidade. Nessa pesquisa, procuramos conhecer a percepcao de alunos de um pre-vestibular inclusivo sobre a implantação de cotas. A maioria dos estudantes posicionou-se favoravel, e prioriza cotas para ex-alunos de escolas públicas em vez de minorias baseadas na raca/cor. Mais da metade dos entrevistados demonstra interesse em se beneficiar das cotas, desde que na categoria de egressos de escola pública. Esses mesmos alunos considerariam injusta a entrada de outro candidato beneficiado por cotas com media inferior à sua, se isso representasse sua exclusao da universidade. Discute-se no artigo a inadequação de um sistema de cotas baseados na cor da pele, um criterio reconhecidamente sujeito a falhas e preconceitos. Pretende-se estimular o debate sobre formas alternativas de ampliar o acesso à universidade pública, tais como cursos pre-vestibulares inclusivos que tem aumentado a competitividade de alunos da rede pública.

Palavras-chave


Inclusao social; Negros; Escola pública; Extensao universitaria; Formação de professores; Politicas públicas

Referências


ANDRADE, D. R. et al. Prevest. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE EXTENSAO UNIVERSITARIA, 1., 2002, Joao Pessoa. Anais... Joao Pessoa, PB: Forum de Pro-Reitores de Extensao das Universidades Públicas Brasileiras: UFP, 2002. 1 CD-ROM. [ Links ]

AZEVEDO, C. M. M. Cota racial e Estado: abolicao do racismo ou direitos de raca. Cadernos de Pesquisa , Sao Paulo, v. 34, n. 121, p. 213-239, 2004. [ Links ]

BELLINI, L. M.; RUIZ, A. R. Escola pública e conhecimento: avaliando caminhos contraditorios na formacao de professores e de seus alunos. Revista Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 23, p. 154-155, 2001. [ Links ]

CARVALHO, J. M.; GRIN, M. Universidade pública, elitista ? Ciencia Hoje, Rio de Janeiro, v. 34, n. 203, p. 16-20, 2004. [ Links ]

CASTRO, C. M. Educacao superior e equidade: inocente ou culpada? Ensaio: avaliacao de politicas públicas em educacao, Rio de Janeiro, v. 9, n. 30, p. 110-120, 2001. [ Links ]

CESAR, R. C. L. Acoes afirmativas no Brasil: e agora, doutor? Ciencia Hoje, Rio de Janeiro, v. 33, n. 195, p. 26-32, 2003. [ Links ]

IANNI, O. Dialetica das relacoes raciais. Estudos Avancados, Sao Paulo, v. 18, n. 50, p. 21- 30, 2004. [ Links ]

IBGE. Censo demografico 2000. Rio de Janeiro, 2000. Disponivel em: . Acesso em: 16 out. 2004. [ Links ]

MAGGIE, Y.; FRY, P. A reserva de vagas para negros nas universidades brasileiras. Estudos Avancados, Sao Paulo, n. 18, v. 50, p. 67-80, 2004. [ Links ]

MOEHLECKE, S. Acao afirmativa: historia e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, v. 117, p. 197-217, nov. 2002. [ Links ]

MUNANGA, K. A dificil tarefa de definir quem e negro no Brasil. Estudos Avancados, Sao Paulo, v. 18, n. 50, p. 51-56, 2004. [ Links ]

PENA, S. D. J.; BORTOLINI, M. C. Pode a genetica definir quem deve se beneficiar das cotas universitarias e demais afirmativas? Estudos Avancados, Sao Paulo, v. 18, n. 50, p. 31-50, 2004. [ Links ]

VASCONCELOS, S. D.; LIMA, K. E. C. Inclusao social e acesso às universidades públicas: o Programa Professores do Terceiro Milenio. Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 29, p. 72-5, 2004. [ Links ]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.