Democratizar a escola atraves do curriculo: em busca de uma nova utopia…

Jose Carlos Morgado

Resumo


Partindo da ideia de que e muito dificil construir uma escola inclusiva no seio de uma sociedade de progresso e abundância, mas onde pululam desigualdades, se acentua a precarização da juventude e proliferam casos de exclusao, importa questionar ate que ponto a escola, conjugando o melhor do passado com as mudancas do presente e os avancos do futuro, podera contribuir para inverter esta situação. Tal ensejo obriga-nos a repensar a missao social da escola e a pugnar para que o curriculo, que ai se desenvolve, se assuma como um espaco coletivo de compromissos, um estimulo à participação, uma oportunidade de reflexão e uma forma de desenvolver uma verdadeira educação moral, onde os valores se assumam como eixos estruturantes de uma sociedade mais justa, mais solidaria e mais democratica. Os professores assumem, neste processo, responsabilidades acrescidas, ja que das suas capacidades intelectuais e das virtudes do seu caracter depende, em muito, da excelencia do ato pedagogico. E, pois, em torno destes pressupostos que pretendo, ao longo deste texto, interpelar a escola e o curriculo em busca de uma nova utopia.

Palavras-chave


Curriculo; Troca de práticas; Democratização da escola

Referências


AFONSO, N. A regulaA§A£o da educaA§A£o na Europa: do Estado Educador ao controlo social da Escola PAºblica. In: BARROSO, J. (Org.). A Escola PAºblica: regulaA§A£o, desregulaA§A£o e privatizaA§A£o. Porto. EdiA§Aµes Asa: 2003, p. 49-78.

AMARAL, A.; MAGALHAƒES, A. O conceito de stakeholder e o novo paradigma do ensino superior. Revista Portuguesa de EducaA§A£o,[S.l.], v. 13, n. 2, p. 7-28, mar. 2000.

BENATEZ, M. P. GlobalizaciA³n, Neoliberalismo y EducaciA³n. Revista de la AsociaciA³n de Inspectores de EducaciA³n en EspaA±a, Espanha, n. 11, nov. 2009. DisponA­vel em: < http://www.adide.org/revista/index.php?option=com_content&task=section&id=16&Itemid=67>. Acesso em: 10 de jul. 2012.

BOURDIEU, P. O poder simbA³lico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1992.

CANARIO, R. O que A© a escola?: um “olhar†sociolA³gico. Porto: Porto Editora, 2005.

CASTELLS, M. La era de la informaciA³n: la sociedad red. Madrid: Alianza, 2000. v. 1.

ESTEVE, J. M. EducaciA³n y GlobalizaciA³n. La Sociedad y la EconomA­a del conocimiento. Revista de la AsociaciA³n de Inspectores de EducaciA³n en EspaA±a, Espanha, n. 11, abr. 2009. DisponA­vel em: . Acesso em: 10 jul. 2012.

GIMENO, J. El currA­culum: una reflexiA³n sobre la prA¡ctica. Madrid: Morata, 1988.

______. El significado y la funciA³n de la educaciA³n en la sociedad y cultura globalizadas. Revista de EducaciA³n, Madri, Espanha, n. 1, p. 121-142, set. 2005.

GOODMAN, J. La educaciA³n democrA¡tica en la escuela. Sevilla: Publicaciones M.C.E.P., 2001.

GUARRO, A. CurrA­culum y democracia: por um cambio de la cultura escolar. Barcelona: Octaedro, 2002.

HARGREAVES, A. O Ensino na Sociedade do conhecimento: a educaA§A£o na era da inseguranA§a. Porto: Porto Editora, 2003.

INNERARITY, D. El futuro y sus enemigos. Barcelona: PaidA³s, 2009.

LEITE, C. Para uma escola curricularmente inteligente. Porto: EdiA§Aµes ASA, 2003.

LA‰VI, P. As tecnologias da inteligAancia: o futuro do pensamento na era da informA¡tica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

LIMA, L. ModernizaA§A£o, racionalizaA§A£o e optimizaA§A£o: perspectivas neotaylorianas na organizaA§A£o e administraA§A£o da educaA§A£o. In: LIMA, L.; AFONSO, A. (Ed.). Reformas da EducaA§A£o PAºblica: democratizaA§A£o, modernizaA§A£o, neoliberalismo. Porto: EdiA§Aµes Afrontamento, 2002, p. 17-32.

MORGADO, J. C. Autonomia curricular: coerAancia entre o local e o global. In: FERNANDES, M. et. al. O particular e o global no virar do milA©nio. Lisboa: Colibri, 2002, p. 1031-1040.

______. Processos e prA¡ticas de (re)construA§A£o da autonomia curricular. 2003. Tese (Doutorado)–Universidade do Ninho, Braga, 2003. Policopiado.

______. GlobalizaA§A£o e (re)organizaA§A£o do Ensino Superior: perplexidades e desafios. Perspectiva, [S.l.], n. 24, v. 1, p. 205-228, nov.2006.

______. Para um outro arquA©tipo de escola: a necessidade de mudar as polA­ticas e as prA¡ticas curriculares. EducaA§A£o em Revista, Belo Horizonte, n. 26, v. 2, p. 15-24, mar. 2010.

______. Identidade e profissionalidade docente: sentidos e (im)possibilidades. Ensaio: AvaliaA§A£o e PolA­ticas PAºblicas em EducaA§A£o, Rio de Janeiro, n. 73, v. 19, p. 793-812, out./dez. 2011.

MORIN, E. Los siete saberes necesarios para la educaciA³n del futuro. Barcelona: PaidA³s, 2001.

MUA‘OZ, J. E. La construcciA³n de un currA­culo democrA¡tico y la cultura de colaboraciA³n del profesorado. Revista Cuatrimestral del Consejo Escolar del Estado, [S.l.], n. 3, p. 12-17, out. 2006.

PERRENOUD, P. A escola e a aprendizagem da democracia. Porto: EdiA§Aµes ASA, 2002.

SANCHES, M. F. A. ‘(in)sustentA¡vel leveza’ da lideranA§a dos professores em contextos de mudanA§a: contrastes entre idealidade e realidade. In:______. (Org.). A escola como espaA§o social: leituras e olhares de professores e alunos. Porto: Porto Editora, 2009. p. 125-162.

SOEIRO, J. A defesa da escola pAºblica e democrA¡tica: intervenA§A£o na sessA£o parlamentar de comemoraA§A£o do 25 de Abril, 2008. [S.l.], 2008. DisponA­vel em: . Acesso: 10 jul. 2012.

TEDESCO, J. C. Diez notas sobre el pacto social y educativo. Revista de la AsociaciA³n de Inspectores de EducaciA³n en EspaA±a, Espanha, n. 12, mar. 2010. DisponA­vel em:

http://www.adide.org/revista/index.php>. Acesso em: 10 jul. 2012.

TOURAINE, A. Como sair do liberalismo?. Lisboa: Terramar, 1999.

_____. Um novo paradigma: para compreender o mundo hoje. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.