Formação de professores na Universidade Federal da Bahia: análise das licenciaturas noturnas

Renata Meira Veras, Wilton Nascimento Figueredo, Sayuri Miranda de Andrade Kuratani, Erika Silva Chaves

Resumo


Este artigo tem como objetivo identificar elementos voltados à formação de professores nos componentes curriculares dos cursos de licenciaturas noturnas da Universidade Federal da Bahia (Ufba). O estudo foi realizado por meio de pesquisa documental, com abordagem quantitativa, sendo analisadas 381 ementas de 12 cursos. A análise demonstrou que o curso de Pedagogia, seguido de Computação e de Matemática, possui maior concentração de componentes curriculares voltados para a formação docente. Já o curso de Letras apresentou maior número de componentes curriculares com ênfase na formação técnica. Conclui-se que a falta de inovações e avanços na formação docente não habilitam o licenciando a desempenhar uma carreira docente com uma base consistente das práticas cotidianas necessárias ao processo ensino-aprendizagem.


Palavras-chave


Formação de professores; Licenciaturas; Educação superior noturna

Referências


ALMEIDA, L. R. Cursos noturnos: uma abordagem histórica.In: TOZZZI, D. A. (coord.).Ensino n período noturno: contradições e alternativas. São Paulo: FDE, 1998. (Ideias, v. 25). p. 17-28.

ANTUNES, A. C. Mercado de trabalho e Educação física: aspectos da preparação profissional. Revista de Educação, Londrina, v. 10, n. 10, p. 141-149, 2007. Disponível em: http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/educ/article/view/2147/2044. Acesso em: 3 nov. 2017.

BETTI, M.; ZULIANI, L.R. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte , São Paulo, v. 1, n. 1, p. 73-81, 2002. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/1363/1065. Acesso em: 1 nov. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 002/2015, de 1 de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União , Brasília, DF, 3 de jul. 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 2 nov. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 009/2001, de 8 de maio de 2001b. Diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da Educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União , Brasília, DF, 18 de jan. 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União , Brasília, DF, 23 dez. 1996

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001a. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União , Brasília, DF, 10 jan. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais curriculares nacionais dos cursos de bacharelado e licenciatura . Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://www.dca.ufrn.br/~adelardo/PAP/ReferenciaisGraduacao.pdf. Acesso em: 22 jan. 2018.

CANDAU, V. M. (org.). A didática em questão. 28. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

DIAS, M. S. Atividade do licenciando em matemática: a escolha do curso e o estágio curricular supervisionado. In: FARIAS, I. M. S. et al. (org.). Didática e a prática de ensino na relação com a formação de professores. Fortaleza: EDUECE, 2015. V. 2, p. 1836-1847.

DIAS, M. S. Contribuições para compreender a formação na licenciatura e na docência. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 33, e157757, p. 1-24, 2017. https://doi.org/10.1590/0102-4698157758

DOTTA, L. T.; LOPES, A. Climas de formação: construção de um quadro conceitual adequado ao estudo da formação de profissionais na Educação Superior. Revista Diálogo Educional, Curitiba, v. 15, n. 44, p. 197-221, jan./abr.2015. https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.044.AO01

FADIGAS, J. C. Perfil dos estudantes de licenciatura em química da Universidade Federal da Bahia. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 17., 2016, Florianópolis. Anais eletrônicos [...]. Florianópolis: UFSC, 2016. Disponível em: http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R0251-1.pdf. Acesso em: 20 out. 2018.

FRANCO, M. E. D. P. F et al. Expansão da Educação superior e arquiteturas acadêmicas: tensões e desafios. Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB , Campo Grande, n. 30, p. 117-139,jul./dez. 2010. Disponível em: http://www.gpec.ucdb.br/serie-estudos/index.php/serie-estudos/article/view/136. Acesso em: 25 nov. 2019.

GARCIA, M. M. A. Políticas curriculares e profissionalização: saberes da prática na formação inicial de professores. Educação em Revista , Belo Horizonte, v. 32, n. 2, p. 131-158, abr./jun. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698153483

GATTI, B. A. Formação de professores, complexidade e trabalho docente. Revista Diálogo Educacional , Curitiba, v. 17, n. 53, p. 721-737, 2017. https://doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.AO01

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetinga, v. 1, n. 2, p. 161-171, abr./jun. 2016. Disponível em: https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/RIFP/article/view/347. Acesso em: 25 nov. 2019.

GATTI, B. A. (org.). Análises pedagógico-curriculares para os cursos de licenciatura vinculados às áreas de artes, biologia história, língua portuguesa, matemática e pedagogia no âmbito da Uab e Parfor. Brasília: Unesco/MEC/Capes, 2012. (Documento técnico).

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.Professores: aspectos de sua profissionalização, formação e valorização social. Brasília, DF: UNESCO, 2009. (Relatório de pesquisa).

GATTI, B. A.; NUNES, M. M. R. Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2009. (Coleção Textos FCC, v. 20).

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS – Inep. Sinopse estatística da Educação básica 2018 . Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/snopse-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 10 nov. 2019.

LIBÂNEO, J. C. Formação de professores e didática para o desenvolvimento humano. Educação & Realidade, Porto Aegre, v. 40, n. 2, p. 629-650, abr./jun. 2015. https://doi.org/10.1590/2175-623646132

MARANHÃO, J. D.Ensino superior noturno: percepções de estudantes da graduação na Universidade Federal da Bahia. 2015. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade) ‒ Programa de Pós-Graduação Estudos Interdisciplinares Sobre a Universidade, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

MARANHÃO, J. D; VERAS, R. M. O ensino noturno na Universidade Federal da Bahia: percepções dos estudantes. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação , Rio de Janeiro, v. 25, n. 96, p. 553-584, jul./set. 2017. https://doi.org/10.1590/s0104-40362017002500854

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação . Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

OLIVEIRA, M. R. N. S. Mudanças no mundo do trabalho: acertos e desacertos na proposta curricular para o Ensino Médio (Resolução CNE 03/98). Diferenças entre formação técnica e formação tecnológica. Educação & Sociedade , Campinas, v. 21, n. 70, p. 40-62, abr. 2000. https://doi.org/10.1590/S0101

PEREIRA, J. E. D. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade , Campinas, v. 20, n. 68, p. 109-125, dez. 1999. https://doi.org/10.1590/S0101-73301999000300006

PEREIRA, T. I.; SILVA, L. F. S. C. As políticas públicas do ensino superior no governo Lula: expansão ou democratização? Revista Debates, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 10–31, 2010. https://doi.org/10.22456/1982-5269.1631673302000000100004

PÉREZ GÓMEZ, A. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e sua formação . Lisboa: Dom Quixote, 1995, p. 93-114.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. Nuances , Presidente Prudente, v. 3, n. 3, p. 5-14, set. 1997. https://doi.org/10.14572/nuances.v3i3.50

PIMENTA, S. G. (org.). Saberes pedagógicos e atividade docente . São Paulo: Cortez, 1999.

RISTOFF, D. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 19, n. 3, p. 723-747, nov. 2014. https://doi.org/10.1590/S1414-40772014000300010

RISTOFF, D. Vinte e um anos de Educação superior. Expansão e democratização. Cadernos do GEA , Rio de Janeiro, n. 3, jan./jun. 2013. Disponível em: http://flacso.redelivre.org.br/files/2015/03/Caderno_GEA_N3.pdf. Acesso em: 12 fev. 2018.

ROCHA, J. F. M. História de uma experiência singular de ensino. Parte I: a criação do Curso de Física, Licenciatura, noturno, da Ufba. Caderno Brasileiro de Ensino de Física , Florianópolis, v. 33, n. 1, p. 253-274, 2016. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2016v33n1p253

SANTANA, C. M. B. A caminho da democratização na Ufba: o novo aluno dos cursos noturnos. 2013. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade) ‒ Programa de Pós-Graduação Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

SAVIANI, D.Pedagogia históricocrítica: primeiras aproximações. 9. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e sua formação . Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 77-91.

SOLOVIEVA, Y. El desarrollo intelectual y suevaluación: una aproximación histórico-cultural. Puebla: B.U.A.P., 2004. (Colección Neuropsicología y Rehabilitación).

SOUZA, N. M. M; ESTEVES, A. K.; SILVA, R. G. Conhecimentos de graduandos para o ensino de matemática: um olhar sobre experiências em situação de ensino e possibilidades de integração na formação inicial. Revista Educação Matemática Pesquisa , São Paulo, v. 16, n. 1, p. 189-207, 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/16166/0. Acesso em 25 nov. 2019.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação , São Paulo, v. 13, n. 5, p. 5-24, jan./abr. 2000. Disponível em: http://teleduc.unisa.br/~teleduc/cursos/diretorio/apoio_5427_368/TARDIF_Saberes_profissionais_dos_professores.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional . 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

TERRIBILI FILHO, A. Ensino superior noturno no Brasil: estudar para trabalhar ou trabalhar para estudar?. Pensamento & Realidade , São Paulo, v. 22, p. 43-65, jan. 2012. ISSN 2237-4418. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/pensamentorealidade/article/view/8299. Acesso em: 25 nov. 2019.

TERRIBILI FILHO, A.; NERY, A. C. B. Ensino superior noturno no Brasil: história, atores e políticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 25, n. 1, p. 61-81, 2009. https://doi.org/10.21573/vol25n12009.19327

ZEICHNER, K. M. O professor como prático reflexivo.In: ZEICHNER, K. M.A formação reflexiva dos professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993, p. 13-28.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Revista do Centro de Educaçao UFSM , Santa Maria, v. 35. n. 3, 479-504, set./dez. 2010. https://doi.org/10.5902/198464442357




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362020002802011

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.