O uso de indicadores para avaliação qualitativa de projetos educativos socioambientais: a gestão participativa no ambiente escolar

Renato de Oliveira Brito, Luíz Siveres, Célio da Cunha

Resumo


Este artigo tem como objetivo, discutir os novos paradigmas educacionais, voltados para o desenvolvimento sustentável, a fim de se construir um novo modelo de escola, a partir da interação mais eficaz de todos os envolvidos no processo educacional, das famílias dos alunos e da sociedade. Tal ideia se baseia no pressuposto da gestão participativa, e vai ao encontro da promoção da sustentabilidade no ambiente escolar ao se considerar que essa iniciativa envolve ações individuais, mas também coletivas. A educação ambiental não pode se reduzir a uma atuação focada apenas no indivíduo, de maneira fragmentada. Tampouco, pode se voltar para coletivos genéricos, abstratos, fora do contexto territorial e histórico. Este artigo visa, ainda, a discussão da efetividade do uso de indicadores qualitativos, no sentido de verificar se eles podem ser utilizados enquanto balizadores das políticas públicas voltadas à escola, bem como discutir a efetividade da gestão participativa na constituição de escolas sustentáveis.


Palavras-chave


Escolas sustentáveis; Desenvolvimento socioambiental; Paradigmas educacionais; Gestão participativa

Referências


ALVES, Maria Teresa G.; SOARES, José Francisco; XAVIER, Fl[avia P. Índice socioeconômico das escolas de educação básica brasileiras. Ensaio: aval. Pol. Publ. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 84, p. 671-704, jul/set. 2014.

ARAÚJO, M. I. O.; MODESTO, M. A.; SANTOS, T. F. Caminhos e dilemas da Educação Ambiental no contexto escolar. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 11, n. 2, p. 129-136, 2016. Disponível em: . Acesso em 01 maio 2017.

BARCHI, R. Educação ambiental e (eco)governabilidade. Ciência & Educação, Bauru, v. 22, n. 3, p. 635-650, 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

BASTOS, D. B. D.; RABINOVICI, A. A importância do processo de formação de educadores ambientais na efetividade do Programa Nacional de Escolas Sustentáveis – PNES. Revbea. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 42-59, 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

BAUER, Adriana; SOUSA, Sandra Z. Indicadores para avaliação de programas educacionais:

Desafios metodológicos. Ensaio: aval. Pol. Publ. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, n. 86, p. 259-284, jan/mar. 2015.

BORGES, C. O que são espaços sustentáveis. Salto para o Futuro. Espaços educadores sustentáveis. Rio de Janeiro: TV Escola, a. XXI, b. 7, jun. 2011. p. 11-16. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil : texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasilia: Congresso Nacional, 1998.

BRASIL. Lei n° 9795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e da outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1999.

BRASIL. ProNEA - Programa Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental; Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental. 3 ed Brasília: MMA, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/pronea3.pdf Acesso em 20 mar 2018.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de Agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional, 1981

BRITO, R. de O. Gestão participativa e sustentabilidade socioambiental: um estudo em escolas da rede pública de Sobral-CE. 2016. 192 f. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2016.

BRITO, Renato de Oliveira; CUNHA, Célio da; SÍVERES, Luiz. Gestão participativa e sustentabilidade socioambiental: um estudo em escolas da rede pública de Sobral-CE. Ciênc. Educ. Bauru, v.24, n.2, p. 395-410, 2018.

FME. Fórum Mundial de Educação 2015. Declaração de Incheon: Educação 2030: rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002331/233137por.pdf Acesso em 30 set 2018.

GADOTTI, M. Educar para a sustentabilidade: uma contribuição à década da educação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2008.

LEFF, E. Saber ambiental: Sustentabilidade, Racionalidade, Complexidade, Poder. Rio de Janeiro: Vozes/PNUMA, 2001.

MINAYO, M. C. S. Construção de Indicadores Qualitativos para avaliação de mudanças. Revista Brasileira de Educação Médica, n. 33 (1 Supl. 1), 2009, p. 83-91.

MOREIRA, T. Escola sustentável: currículo, gestão e edificação. Salto para o Futuro. Espaços educadores sustentáveis. Rio de Janeiro: TV Escola, a. XXI, b. 7, jun. 2011. p. 17-22. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2014.

NEWTON, A. P. B. et al. Educação e conhecimento para um futuro sustentável. São Paulo: Alínea, 2011.

NOVICKI, V. Educação para o desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis? Linhas Críticas. Brasília, v. 14, n. 27, 2009, p. 215-232. Faculdade de Educação da UNB. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2014.

PADILHA, P. R. Uma escola mais bela, alegre e prazerosa. In: GADOTTI, M. GOMEZ, M. V.; FREIRE, L. Lecciones de Paulo Freire, cruzando fronteras: experiencias que se completan. Buenos Aires: CLACSO, 2003. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2015.

PAULA, J. Uma Agenda para o Brasil. Uma Agenda de Desenvolvimento Humano e Sustentável para o Brasil do Século XXI, PNUD. Brasília: Millenium/Instituto de Política, 2000.

REZENDE; T. de F.; SILVA, G. F. da. A relação família-escola na legislação educacional brasileira (1988-2014). Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 24, n. 90, p. 30-58, jan./mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2017.

RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental: abordagens múltiplas. 2ª. ed. Porto Alegre: Penso Ed, 2012. v. 1. 312p .

SÍVERES, L. Sustentabilidade educacional. Revista de Educação, Brasília, n. 152, 2010. ANEC. Disponível em: . Acesso em: 1 set. 2012.

TRAJBER, R. Vida sustentável: ações individuais e coletivas. Salto para o Futuro. Espaços educadores sustentáveis. Rio de Janeiro: TV Escola, a. XXI, b. 7, jun. 2011. p. 23-29. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2014.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Década da Educação das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília: Unesco, 2005. 120 p. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362019002701991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.