Democratizando o acesso ao ensino superior: classificação brasileira de cor/raca no debate sobre a ação afirmativa

Moema de Poli Teixeira

Resumo


Um dos principais aspectos para o desenvolvimento de acoes afirmativas no Brasil compreende como definir a população-alvo, que inclui usos e percepcoes de categorias etnico-raciais. O presente trabalho tem como objetivo principal trazer a analise sobre as classificacoes de cor ou raca do IBGE para contribuir com o desenho de acoes afirmativas no Brasil, utilizando categorias historicamente construidas com o aval da estatistica oficial. As questoes de cor nos Censos Brasileiros e as experiencias incluindo a designação racial como resposta aberta, sao estudadas desde 1872, e constata-se que ha duas dimensoes envolvendo as classificacoes raciais no Brasil a serem observadas no debate sobre ação afirmativa: uma estrutural e outra cultural. As estatisticas sao fundamentais para construir as melhores evidencias na formulação de politicas públicas. Por outro lado, reconhece-se as identidades etnicas e raciais como fenômenos culturais suscetiveis de mudanca, o que nos leva a continuar a discussao, tentando captar o significado dessas transformacoes. O debate sobre a ação afirmativa nao pode desqualificar nenhuma dessas abordagens para o conhecimento das relacoes raciais no Brasil.


Palavras-chave


Classificação de cor/raca; Censo Demografico; Educação Superior; Acao Afirmativa

Referências


AZEVEDO, T. As elites de cor: um estudo de ascensao social. Sao Paulo: Companhia Editora Nacional, 1955. (Brasiliana, v. 282).

BELTRAO, K. I.; TEIXEIRA, M. D. P. Moreno escolha dos brasileiros desde 1940: o quesito Aberto de cor no recenseamento geral. Rio de Janeiro: IPEA, 2009. Textos para Discussao na Escola Nacional de Ciencias Estatisticas (ENCE).

CARVALHO, J. J. Inclusao etnica e racial no Brasil: a questao das cotas no ensino superior. Sao Paulo: Attar Editorial, 2005.

COSTA, T. C. N. A. O principio classificatorio cor, sua complexidade e implicacoes para um estudo censitario. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 3, p. 91-106, jul./set. 1974.

FERNANDES, F. A integracao do negro na sociedade de classes. Sao Paulo: Atica, 1978.

GONCALVES, M. A. R. Politicas educacionais, acoes afirmativas e diversidade. Critica e Sociedade: Revista de Cultura Politica, Uberlndia, v. 4, n. 1, p. 142-162, 2014.

HARRIS, M. Referential ambiguity in the calculus of Brazilian racial identity. Southwestern Journal of Anthropology, Albuquerque, v. 14, no. 4, p. 1-14, 1970.

HARRIS, M. The Brazilian pattern. In: HARRIS, M. Patterns of race in The Americas. New York: Walker and Company, 1964. p. 112-24.

HARRIS, M. et al. Who are the whites? Imposed Census categories and the racial demography of Brazil. Social Forces, Oxford, v. 72, no. 2, p. 451-462, 1993. https://doi:10.2307/2579856

HARRIS, M.; KOTTAK, K. C. The structural significance of Brazilian racial categories. Sociologia, Sao Paulo, v. 25, n. 3, p. 203-208, 1963.

HASENBALG, C. A. Discriminacao e desigualdades raciais no Brasil. Sao Paulo: Graal, 1979.

HUTCHINSON, H. W. Race relations in a rural community of the Bahian Recncavo. In: WAGLEY, C. (Ed.). Race and class in rural Brazil. Paris: Unesco, 1952. p. 16-46.

IBGE. Pesquisa das Caracteristicas Etnico-Raciais da Populacao: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, 2008a.

IBGE. Pesquisa Mensal de Emprego - Julho. Rio de Janeiro: IBGE, 1978.

IBGE. Pesquisa Mensal de Emprego - Julho. Rio de Janeiro: IBGE, 1998.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios. Rio de Janeiro: IBGE, 1976.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, 1999.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, 2008b.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

KOTTAK, C. Emics and Etics of Racial Classification in Brazil: Based on a Recent National Survey. In: AMERICAN ANTHROPOLOGICAL ASSOCIATION, 91., 1992, San Francisco. Annual Meeting... San Francisco, 1992. Paper Presented.

KOTTAK, C. Race relations in a bahian fishing village. Luso-Brazilian Review, Madison, v. 4, no. 2, p. 35-52, 1967.

MAGGIE, I. Aqueles a quem foi negada a cor do dia: as categorias de cor e raca na cultura brasileira. In: SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE RACISMO E RELACOES RACIAIS NOS PAISES DA DIASPORA AFRICANA, 1992. Rio de Janeiro, 1992. Trabalho apresentado.

MORNING, A. Ethnic Classification In Global Perspective: a Cross-National Survey of The 2000 Census Round. New York: New York University, 2005. Disponivel em: . Acesso em: 12 abr. 2017.

NOGUEIRA, O. Negro politico, politico negro. Sao Paulo: Edusp, 1992.

NOGUEIRA, O. Tanto preto quanto branco: estudo de relacoes raciais. Sao Paulo: T. A. Queiroz Editor, 1985.

OLIVEIRA, J. S. de. Brasil, mostra a tua cara: imagens da populacao brasileira nos censos demograficos de 1872 a 2000. Rio de Janeiro: ENCE: IBGE, 2003. (Textos para Discussao, n. 6).

OLIVEIRA, L. E.; PORCARO, R. M.; ARAUJO, T. C. O lugar do negro na forca de trabalho. Rio de Janeiro: IBGE, 1985.

PETRUCCELLI, J. L. A cor denominada. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. (Textos para discussao, v. 3).

PIERSON, D. Negroes in Brazil. Chicago: University of Chicago, 1951.

PINTO, L. A. C. O negro no Rio de Janeiro: relacoes de racas numa sociedade em mudanca. Sao Paulo: Companhia Editora Nacional, 1952.

RATTS, A.; CIRQUEIRA, D. M. Mas quem e negro no Brasil?: uma contribuicao para o debate acerca das cotas raciais nas universidades brasileiras. Revista Universidade e Sociedade, Brasilia, DF, ano 10, n. 46, p. 51-60, jun. 2010.

ROSEMBERG, F. O branco no IBGE continua branco na acao afirmativa? Estudos Avancados, Sao Paulo, v. 18, n. 50, p. 61-66, jan./abr. 2004. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000100007

SANJEK, R. Brazilian Racial terms: some aspects of meaning and learning. American Anthropologist, Washington, DC, v. 73, no. 20, p. 1126-1143, 1971.

SANTANA, E. B. As politicas pblicas de acao afirmativa na educacao e sua compatibilidade com o principio da isonomia: acesso s universidades por meio de cotas para afrodescendentes. Ensaio: Avaliacao e Politicas Pblicas em Educacao, Rio de Janeiro, v. 18, n. 69, p. 736-760, out./dez. 2010.

SCHWARTZMAN, S. Fora de foco: diversidade e identidades etnicas no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, Sao Paulo, v. 55, p. 83-97, nov. 1999.

SENRA, N. Estatisticas desejadas (1822-c.1889). Rio de Janeiro: IBGE, 2006. (Historia das Estatisticas Brasileiras, v. 1).

SHERIFF, R. E. Como os senhores chamavam os escravos: discursos sobre cor, raca e racismo num morro carioca. In: MAGGIE, I.; REZENDE, C. B. (Org.). Raca como retorica: a construcao da diferenca. Rio de Janeiro: Civilizacao Brasileira, 2002. p. 213-243.

SILVA, N. V. Morenidade: modo de usar. Estudos Afro-Asiaticos, Rio de Janeiro, v. 30, p. 79-95, 1996.

SKIDMORE, T. Bi-racial U. S. v.s. Multi-racial Brazil: is the contrast still valid? Journal of Latin American Studies, Cambridge, v. 25, no. 2, p. 373-386, 1993.

TEIXEIRA M. P. A questao da cor nas relacoes e representacoes de um grupo de baixa renda. Estudos Afro-Asiaticos, Rio de Janeiro, v. 14, p. 85-97, 1987.

TEIXEIRA, M. P.; BELTRAO, K. I. O eu e o outro: a alteridade proxima na declaracao de cor no quesito aberto da PME 98. Rio de Janeiro: ENCE: IBGE, 2008. (Textos para discussao; n. 24).

WAGLEY, C. Introduction. In: WAGLEY, C. Race and Class in Rural Brazil. Paris: Unesco, 1952. p. 7-14.

ZIMMERMAN, B. Race relations in the arid sertao. In: WAGLEY, C. (Org.). Race and Class in Rural Brazil. New York: Columbia University: Unesco, 1952. p. 82-115.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601768

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.