A autoridade docente e a sociedade da informação: o papel das tecnologias informacionais na docência

Leonardo Humberto Soares, Carlos Ângelo de Meneses Sousa, Ricardo Spindola Mariz, Jaci Maria Ferraz de Menezes

Resumo


Objetivou-se identificar de que maneira as tecnologias e a prática docente, frente à “Sociedade da Informação”, reforçam, ou põem em xeque, a percepção do professor sobre a sua autoridade. A reflexão sobre o conceito de autoridade de Hannah Arendt direcionou o pilar teórico e conceitual do estudo. Como resultado, identificou-se que o aluno possui facilidade em interagir com a tecnologia, mas essa facilidade não ultrapassa o seu uso no contexto comunicacional e de lazer; que o acesso dos alunos às novas bases informacionais pode gerar um sentimento de perda da autoridade por parte do professor despreparado; e que não é o domínio da tecnologia pelo professor que estabelece a sua autoridade, mas sim, a constituição de significado que é construído durante a relação educativa.


Palavras-chave


Autoridade docente; Crise; Tecnologia; Informação; Incerteza

Referências


ALARCÃO, I. Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ANASTASIOU, L. G. C. A docência no Ensino Superior: desafios e possibilidades. Forgrad em Revista, Vitória, n. 1, p. 5-8, maio 2006.

ARENDT, H. A crise na Educação. In: ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo, SP: Perspectiva, 2011.

BAUERLEIN, M. The dumbest generation: how the digital age stupefies young Americans and Jeopardizes our future (or, don’t trust anyone under 30). Los Angeles: TarcherPerigee, 2008.

BAUMAN, Z. 44 Cartas do mundo líquido moderno. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 2011.

BLÖMEKE, S.; BUCHHOLTZ, C. Veränderung von Lehrerhandeln beim Einsatz neuer Medien. Design für die theoriegeleitete Entwicklung, Durchführung und Evaluation einer Intervention. MedienPädagogik: Zeitschrift für Theorie und Praxis der Medienbildung, 1 Sept., p. 91-106, 2017.

BONILLA, M. H. S.; PRETTO, N. L. Política educativa e cultura digital: entre práticas escolares e práticas sociais. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 2, p. 499-521, 2015. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2015v33n2p499

CASTELLS, M. A sociedade em rede. V. X. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2009.

CECCHETTINI, E. E. B. Introdução. In: VERAS, M. Inovação e métodos de ensino para nativos digitais. São Paulo, SP: Atlas, 2011.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M.; JOHNSON, C. W. Inovação na Sala de Aula: Como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Porto Alegre, RS: Bookman, 2012.

DURKHEIM, E. Educação e sociologia. São Paulo, SP: Hedra, 2008.

ENGUITA, M. F. La educación en la encrucijada, Madrid, Fundación Santillana, 2016.

FRANKY, A. P.; CHIAPPE, A. Famílias que educam em casa com TIC: um estudo qualitativo de múltiplos casos. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 101, p. 1324-46, out./dez. 2018. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002601507

FURLANI, L. M. T. Autoridade do professor: meta, mito ou nada disso? 9. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2012.

HALLOWELL, E. Sem tempo pra nada: vencendo a epidemia da falta de tempo. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 2007.

HOWE, N.; STRAUSS, W. Millennials rising: the next great generation. 5. ed. [S.I.]: Vintage Books, 2009.

JUKES, I.; DOSAJ, A. Understanding digital kids (DKs): teaching and learning in the new digital landscape. The InfoSavvy Group, 2004. Disponível em:

LANDWEER, H.; NEWMARK, C. Verdeckte Autorität.: Moderne Gefühlsdynamiken. Deutsche Zeitschrift für Philosophie, v. 65, n. 3, p. 504-19, 2017.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília, DF: Líber Livro, 2005.

LIMA, V. M. R.; GILLO, M. C.. Por que o professor faz o que faz na sala de aula? O fazer pedagógico e as concepções de conhecimento. In: FREITAS, A. L. S.; GESSINGER, R. M. (Org.). A gestão da aula universitária na PUCRS. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2008. p. 19-32.

OLIVEIRA, S. Geração Y: Era das conexões, tempo de relacionamentos. São Paulo, SP: Clube de Autores, 2009.

POSTIC, M. A relação pedagógica. Coimbra: Coimbra Editora, 1990.

PRENSKY, M. The emerging online life of the digital native: what they do differently because of technology, and how they do it. 2004. Disponível em:

REIS, V.; LUNARDI-MENDES, G. M. De iniciantes a vanguardistas: o uso de tecnologias digitais por jovens professores. Holos, v. 1, p. 297-316, fev. 2018.

SCHLEMMER, E. O trabalho do professor e as novas tecnologias. Textual, Porto Alegre, v. 1, n. 8, p. 33-42, 2006.

SOSA, O. G.; MANZUOLI, C. H. Modelos para a integração pedagógica de tecnologias de informação e comunicação: uma revisão da literatura. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 27, n. 102, p. 129-56, jan./mar. 2019. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002701720

SOUSA, C. A. L. Professor, quero ser oprimida! Situação-limite e atos-limites no habitus professoral. Linhas Críticas, Brasília, v. 18, n. 37, p. 551-568. set./dez. 2012. https://doi.org/10.26512/lc.v18i37.4010

SOUSA, C. A. M.; LIMA, D. M. S.; FONTE-BOA, F. Jovens universitários de licenciatura e a educação a distância (EaD) em seus cursos presenciais. In: SOUSA, C. A. M. S. (org.). Juventudes e tecnologias: sociabilidades e aprendizagens. Brasília, DF: Liber Livro/Unesco, 2015. p. 155-72.

TAKAHASHI, T. (Org.). Sociedade da informação no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.

TAPSCOTT, D. Grown Up digital: how the net generation is changing your world. New York: McGraw-Hill, 2008.

TURRA-DIAZ, O.; FLORES-LUEG, C.. La formación práctica desde las voces del estudiantado de pedagogía. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 27, n. 103, p. 385-405, abr./jun. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601517

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre, RS: Artmed, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362019002701655

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.