Conflitos em escolas públicas em Portugal: análise de um programa de governo

Ângela Maria Martins, Mariana Gaio Alves

Resumo


Este artigo examina elementos no processo de constituição de significados atribuídos por atores escolares de escolas públicas localizadas em contextos vulneráveis, em Portugal, às situações de indisciplina, conflito e violência, em torno do seguinte questionamento: quais são as ações encetadas para enfrentá-las e suas percepções acerca desses fenômenos? As escolas selecionadas para o estudo integram o programa TEIP (Territórios de Intervenção Prioritária), desde 1996. Trata-se de estudo qualitativo e exploratório, com base em levantamento e análise de informações de documentos oficiais e da legislação, além de entrevistas realizadas com equipes compostas por profissionais responsáveis pela sua implementação. Considera-se a relevância de compreender percepções de atores educacionais envolvidos em fatos e situações de conflitos em escolas públicas.


Palavras-chave


Políticas públicas de educação; Programas de governo; Indisciplina; Conflito e violência em escolas públicas

Referências


ALVES, M. G. Viver na escola: indisciplina, violncia e bullying como desafio educacional. Cadernos de Pesquisa. Vol 46, n 161, 594-613, 2016.

ALVES, M. G.; AZEVEDO, N.; GONALVES, T. Satisfao e situao profissional: um estudo com professores nos primeiros anos de carreira. Revista Educao & Pesquisa (Brasil). vol. 40, n. 2, 365-382, 2014

BARDIN, Laurence. Anlise de contedo. Lisboa: Edies Setenta, 1994.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prtico. Petrpolis, RJ. 12. Ed.: Vozes, 2014.

BIESTA, G. Giving Teaching Back to Education: responding to the disappearance of the teacher. Phenomenology & Practice, Volume 6 (2012), No. 2, 35-49, 2012.

CAMACHO, L. M.Y. As sutilezas das faces da violncia nas prticas escolares de adolescentes. Educao e Pesquisa, So Paulo, v.27, n 1, p.123-140, jan/jun. 2001.

CARDOSO, C. F. BRIGNOLI, H. P. Os mtodos da histria. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

CECCON, Claudia et alli. Conflitos na escola - modos de transformao: dicas para refletir e exemplos de como lidar. So Paulo: CECIP/ Imprensa Oficial do Estado de So Paulo, 2009.

DEBARBIEUX, Eric; BLAYA, Catherine (Orgs.). Violncia nas escolas e polticas pblicas. Braslia: UNESCO, 2002.

PHILLIPS, David. Aspectos da transferncia educacional. In: COWEN, Roberto; KAZAMIAS, Andreas, M. (orgs.). Educao comparada panorama internacional e perspectivas. Braslia: Unesco/Capes, 2012, pg. 497-517.

RAUCSH, Rita. B.; Dubiella, Eliani. Fatores que promovem mal-estar ou bem-estar ao longo da profisso docente na opinio de professores em fase final de carreira. Rev. Dialogo Educ., Curitiba, v 13, n 40, p.1041-1061, set./dez, 2013. Disponvel em: www2.pucpr.br/reol/index.php/dialogo?dd99=pdf&dd1=12307>. Acesso em: 18 nov. 2014.

SO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educao. Manual de Proteo Escolar e Promoo da Cidadania. Sistema de Proteo Escolar. So Paulo: FDE, 2009.

SO PAULO (Estado) Secretaria de Estado da Educao. Normas Gerais de Conduta Escolar. Sistema de Proteo Escolar. So Paulo: FDE, 2009b.

SO PAULO (Estado) Secretaria de Estado da Educao. Resoluo SE n 19, de 12/02/2010. Institui o Sistema de Proteo Escolar na rede estadual de ensino de So Paulo e d providncias correlatas. So Paulo, CENP/DRHU, 2010.

SEBASTIO, J. Violncia na escola, processos de socializao e formas de regulao. Sociologia, Problemas e Prticas, Lisboa, n. 71, 23-37, 2013.

SEBASTIO, J.; ALVES, M. G.; CAMPOS, J. Violncia na escola: das polticas aos quotidianos. Sociologia, Problemas e Prticas, Oeiras, n. 41, 37-62, 2003.

SEBASTIO, J.; ALVES, M. G.; CAMPOS, J. Violncia na escola e sociedade de risco: uma aproximao ao caso portugus. In J. Sebastio (Org.). Violncia na escola: tendncias, contextos e olhares (pp. 15-42). Santarm: Cosmos, 2010.

SCHEIBE, Leda. Valorizao e formao dos professores para a educao bsica: Questes desafiadoras para um novo plano nacional de educao. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 981-1000, jul.-set. 2010. Disponvel em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 16 jun. 2014.

SLONJE, R.; SMIOTH, P. K. Cyberbullying: Another main type of bullying? Scandinavian Journal of Psychology, 49(2), 147154, 2008.

STAKE, R. Pesquisa qualitativa estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011.

VALLE, Ione. R. Carreira do magistrio: uma escolha profissional deliberada? R. bras. Est. pedag. Braslia, v. 87, n. 216, p. 178-187, maio/ago. 2006. Disponvel em: www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/.../93149>. Acesso em: 18 nov. 2014.

VASCONCELOS, I,, C. O. de. Aprender a conviver, sem violncia: o que d e no d certo?

Ensaio: aval. pol. pbl. Educ., Rio de Janeiro, v.25, n. 97, p. 897-917, out/dez.

VENTURA, A.; VICO, B. P.; VENTURA, R. Bullying e formao de professores: contributos para um diagnstico. Ensaio: aval. pol. pbl. Educ., Rio de Janeiro, v.24, n. 93, p. 990-1012, out./dez. 2016




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002701628

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.