D. Quixote contra os moinhos: um ensaio sobre o Movimento Escola Sem Partido

Tiago Ribeiro Santos, Gicele Maria Cervi

Resumo


Este ensaio serve-se das categorias “sagrado” e “profano” com o objetivo de analisar ideias motoras do Movimento Escola Sem Partido (MESP) que, como hipótese, procura instaurar uma visão de mundo escolar, apoiado em esquemas binários e convencionais de pensamento. Essas duas categorias procuram compreender como o MESP estabelece “deveres de condutas do professor” expressos em seu Projeto de Lei. Essa realidade político-educacional pode ser constituída de duas hipóteses: 1) pela construção social de um mundo heterônomo e virtualmente confuso e 2) pela atualização mítica de um tipo de professor “sagrado” que faria face ao mundo profano supostamente em questão. Estas sinalizam formas simbólicas de um passado cristalizado, constituindo aquilo que Bourdieu chamava de “paradigma de D. Quixote” – uma expressão subjetiva anacrônica à realidade objetiva. A realidade objetiva da educação é apresentada no último item do artigo, a partir de uma interpretação dramática onde tensões entre os valores “sagrado” e “profano” são entendidos como inerentes à condição social de professor.


Palavras-chave


Sagrado; Profano; Escola sem partido; Moral

Referências


AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo, SP: Boitempo, 2007.

ASSIS. M. Conto de escola. In: SANCHES NETO, M. (Org.). Contos para ler na escola. Rio de Janeiro, RJ: Record, 2007. p. 65-78.

BENDA, J. La trahison des clercs. Paris: Bernard Grasset, 1975.

BERGER, P. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. The social construction of reality: a treatise in the sociology of knowledge. New York, NY: Archor, 1967.

BOURDIEU, P. Descrever e prescrever: as condições de possibilidade e os limites da eficácia política. In: BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo, 1996. p. 117-27.

BOURDIEU, P. Questions de sociologie. Paris: Minuit, 2002.

BOURDIEU, P. Sociologie génerale: cours au collège de France 1981-1983. Paris: Raisons d’Agir, 2015.

BRASIL. Projeto de lei complementar 995/2015, de 26 de março de 2015. Acrescenta dispositivo à Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. Diário Oficial da União, 27 mar. 2015.

BRASIL. Senado Federal. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. 2. ed. Brasília, DF, 2018.

CAPAVERDE, C. B.; LESSA, B. S.; LOPES, F. D. “Escola sem partido” para quem? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 27, n. 102, p. 204-22, mar. 2019. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002601369

CHERKAOUI, M. Socialisation et conflit: les systèmes éducatifs et leur histoire selon Durkheim. Revue Française de Sociologie, Paris, v. 17, n. 2, p. 197-212, 1976.

CERVANTES, M. Dom Quixote. São Paulo, SP: Penguim, 2012.

DURKHEIM, E. L’évolution pédagogique en France: des origines a la renaissance. Paris: Librarie Félix Alcan, 1938.

DURKHEIM, E. O dualismo da natureza humana e suas condições sociais. In: BOTELHO, A. (Org.). Essencial sociologia. São Paulo, SP: Companhia das letras, 2013. p. 291-307.

ELIADE, M. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1992.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os estabelecidos os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2000.

ESCOLA SEM PARTIDO. Por uma lei contra o abuso da liberdade de ensinar. São Paulo, SP, 2004a. Disponível em: . Acesso em: 5 de fev. 2019

ESCOLA SEM PARTIDO. Flagrando o doutrinador. São Paulo, SP, 2004b. Disponível em: . Acesso em: 15 de abr. 2019.

FRIGOTTO, G. (Org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro, RJ: Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2017.

GIANNOTTI, J. A. Savonarolas oficiais. In: ABRANCHES, S.; ALMEIDA, R.; ALONSO, A. et al. Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2019. p. 132-140.

GOFFMAN, E. The presentation of self in everyday life. New York, NY: Archor, 1959.

GUILHERME, A. A.; PICOLI, B. A. Escola sem partido: elementos totalitários em uma democracia moderna: uma reflexão a partir de Arendt. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, p. 1-23, 2018. https://doi.org/10.1590/s1413-24782018230042

LEMOS, R. Diante da realidade, seis ficções epistemológicas. In: ABRANCHES, S.; ALMEIDA, R.; ALONSO, A. et al. Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2019. p. 158-170.

MACEDO, E. As demandas conservadoras do movimento escola sem partido e a base nacional curricular comum. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 507-24, jun. 2017. https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177445

MOULIN, L. A vida cotidiana dos estudantes na idade média. Lisboa: Livros do Brasil, 1994.

NISBET, R. La tradition sociologique. Paris: Universitaires de France, 1984.

PENNA, F. A. O escola sem partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro, RJ: Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2017. p. 17-34.

PERNOUD, R. Pour en finir avec le moyen age. Paris: Seuil, 1977.

PASCAL, B. Pensées: texte établi par Louis Lafuma. Paris: Seuil, 1962.

SALDANHA, P. Debate expõe visões ‘inconciliáveis’ sobre ideologia em sala de aula. Folha de S. Paulo, 4 ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2019.

THIESEN, J.; BIANCHETTI, L. Utopias e distopias na modernidade: educadores em diálogo com Morus, Bacon, Bentham, Huxley e Orwell. Ijuí, RS: Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, 2014.

WEBER, M. A ciência como vocação. In: BOTELHO, A. (Org.). Essencial sociologia. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2013. p. 392-431.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362019002701549

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.