A qualidade da mobilidade de estudantes de graduação no “Ciências sem Fronteiras”

Caterine Vila Fagundes, Maria Beatriz Luce, Paloma Dias Silveira

Resumo


Trata-se de avaliar a qualidade de um programa de mobilidade internacional estudantil e sua pertinência para o país. O artigo apresenta um estudo ex-post-facto , quali-quantitativo, de caráter descritivo, baseado em percepções de estudantes de graduação participantes de mobilidade pelo Programa “Ciência sem Fronteiras”. Constatou-se que o Programa, além de proporcionar novas experiências acadêmicas e conhecimentos, em diferentes contextos de aprendizagem, corroborou suas expectativas relacionadas à valorização profissional e à empregabilidade. Por conseguinte, pode, eventualmente, contribuir para uma positiva avaliação dessa política pública que visava a proporcionar aos jovens melhor formação acadêmico-cultural e, ao Brasil, mais sustentabilidade e competitividade no cenário mundial. De outra parte, foi possível levantar elementos para o aperfeiçoamento da gestão de larga escala e institucional de programas de mobilidade internacional estudantil.


Palavras-chave


Mobilidade internacional; Ciência sem Fronteiras; Qualidade; Internacionalização

Referências


ALTBACH, P. G.; KNIGHT, J. (2007). The internationalization of higher education: motivations and realities. Journal of Studies in International Education , Washington, v. 11, n. 3-4, p. 290-305, set. 2007. https://doi.org/10.1177/1028315307303542

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO INTERNACIONAL - Faubai. Conference program 2015: creating sustainable parthnerships through an equitable internacionalization. Cuiabá, MT: Latino Australia Education, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

AVEIRO, T. M. M. (2014). O programa ciência sem fronteiras como ferramenta de acesso à mobilidade internacional. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia , Canoas, v. 3, n. 2. p. 1-21, 2014

BERGHOFF, S.; TABOADELA, O.; BRANDENBURG, U. The erasmus impact study: effects of mobility on the skills and employability of students and the internationalisation of higher education institutions. Luxembourg: Office of the European Union, 2014.

BRASIL. Decreto Nº 7.642, de 13 de dezembro de 2011. Institui o programa ciência sem fronteiras. Diário Oficial da União , 14 dez. 2011B.

BRASIL. Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação. Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2012-2015 . Brasília, DF, 2011. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação. Programa ciência sem fronteiras: O que é. Brasília, DF, 2012. Disponível em: Acesso em: 22 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação. Programa ciência sem fronteiras: avaliação de políticas públicas. Brasília, DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2017.

CANUTO, S. A. Um olhar científico sobre a relação de intercâmbio do estudante brasileiro em Portugal. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, n. 14, p. 115-122, 2014. https://doi.org/10.22287/ag.v1i14.239

CASTRO, A. A.; CABRAL NETO, A. O ensino superior: a mobilidade estudantil como estratégia de internacionalização na América Latina. Revista Lusófona de Educação , v. 21, n. 21, p. 69-96, out. 2012.

DIAS SOBRINHO, J. Democratização, qualidade e crise da educação superior: faces da exclusão e limites da inclusão. Educação & Sociedade , Campinas, v. 31, n. 113, p. 1223-45, out./dez. 2010. https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000400010

FINARDI, K. R; PREBIANCA, G. V. V. Políticas linguísticas, internacionalização, novas tecnologias e formação docente: um estudo de caso sobre o curso de Letras Inglês em um universidade federal. Leitura (UFAL) , v. 1, p. 129-54. 2014.

FREIRE, P. Pedagogia dos sonhos possíveis . São Paulo, SP: Universidade Estadual Paulista, 2001.

GOMES, A. M.; ROBERTSON, S. L.; DALE, R. The social condition of higher education: globalisation, and (beyond) regionalisation in Latin America. Globalisation, Education and Societies , Bristol, v. 10, n. 2, p. 221-45, jun. 2012. https://doi.org/10.1080/14767724.2012.677708

KNIGHT, J. Education: changes in program and provider mobility. In: LEUZA, K.; MARTENS, K; RUSCONI, A. (Eds.). New arenas of education governance: the impact of international organizations ans markets on educational policy making. New York, NY: Palgrave MacMillan, 2007. p. 136-54.

KNIGHT, J. Internationalisation: key concepts and elements. In: EUROPEAN UNIVERSITY ASSOCIATION – EUA. Internationalisation of european higher education. Berlin: Raabe, 2010. p. 101-40

LAGE, T. S. R. Políticas de internacionalização da educação superior na região norte do Brasil: uma análise do programa ciência sem fronteiras. 2015. Dissertação (mestrado) — Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO, 2015.

LIMA, M. C.; MARANHÃO, C. M. S. A. O sistema de educação superior mundial: entre a internacionalização ativa e passiva. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas) , Sorocaba, v. 14, n. 3, p. 583-610, nov. 2009. https://doi.org/10.1590/S1414-40772009000300004

LUCE, M. B.; FAGUNDES, C. V.; MEDIEL, O. G. Internacionalização da educação superior: a dimensão intercultural e o suporte institucional na avaliação da mobilidade acadêmica. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas) , Sorocaba, v. 21, n. 2, p. 317-40, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772016000200002

MOROSINI, M. C. Qualidade da educação superior e contextos emergentes. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas) , Sorocaba, v. 19, n. 2, p. 385-405, jul. 2014

MULLER, P.; SUREL, I. Análise das políticas públicas . Pelotas, RS: Educat, 2002.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA – Unesco. Declaração mundial sobre educação superior para o século XXI: visão e ação. Paris, 1998. Disponível em: . Acesso em: 6 set. 2015.

RIZVI, F.; LINGARD, B. Políticas educativas en un mundo globalizado . Madrid: Morata, 2013.

SAENGER, E. C.; TEIXEIRA, M. R. F. A internacionalização por meio da bolsa de pesquisador visitante especial do programa ciência sem fronteiras do CNPq. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação , Rio de Janeiro, v. 26, n. 100, p. 849-68, jul./set. 2018. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002601103

SILVA, S. M. W. Cooperação acadêmica internacional da Capes na perspectiva do programa ciência sem fronteiras. 2012. Dissertação (Mestrado) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2012.

TEICHLER, U. The changing debate on internationalization of higher education. Higher Education , New York, v. 48, n. 1, p. 5-46, 2004. https://doi.org/10.1023/B:HIGH.0000033771.69078.41

UNIVERSIA. Questões estratégicas e propostas para as universidades ibero-americanas. In: Encontro Internacional de Reitores Universia, 3, 2014. Anais ... Rio de Janeiro, RJ, 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

VAN DAMME, D. Quality issues in the internationalization of higher education. Higuer Education , New York, n. 41, p. 415-441, 2001.

VEIGA, R. Internacionalização das instituições de ensino superior em Portugal: proposta de metodologia para a construção de indicador do grau de internacionalização. 2012. Dissertação (Mestrado) — Instituto Politécnico de Leiria, Leiria, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362019002701446

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.