“Escola sem Partido” para quem?

Caroline Bastos Capaverde, Bruno de Souza Lessa, Fernando Dias Lopes

Resumo


O presente ensaio visa a apresentar reflexões acerca do Projeto de Lei no 193/2016, Escola sem partido, o qual quer tipificar e repreender, punir o “assédio” ideológico nas escolas. Iniciamos a reflexão a partir dos aportes de Maurício Tragtenberg analisando as conexões entre ideologia e burocracia nas organizações, escopo no qual também incluímos a escola como instância operatória do sistema de ensino formal; tal escolha se dá pelo imbricamento da escola no estado. Após, buscamos aprofundar essas questões por meio do aparato conceitual de Pierre Bourdieu para evidenciar como se engendra essa estrutura orientada à reprodução de modelos ideológicos das classes dominantes. Nosso argumento, para análise teórica, alicerça-se na tessitura do interesse de determinadas classes ao se apropriarem do estado e do sistema de ensino formal e, a posteriori, delinearem os currículos das escolas, os conteúdos a serem ensinados, com o objetivo de construir um consenso social com uma orientação específica.


Palavras-chave


Escola sem partido; Ideologia; Tragtenberg; Bourdieu

Referências


ALMEIDA, M. B.; BAX, M. P. Uma viso geral sobre ontologias: pesquisa sobre definies, tipos, aplicaes, mtodos de avaliao e de construo. Cincia da Informao, Braslia, v. 32, n. 3, p. 7-20, 2003.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.C. A reproduo: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1970.

BOURDIEU, P. O poder simblico. Rio de Janeiro: Difel; 1989.

BOURDIEU, P. Language and symbolic power. Cambridge: Harvard University Press, 1991.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da cincia: por uma sociologia clnica do campo cientfico. So Paulo: Unesp; 2004.

BOURDIEU, P. Sobre o estado: cursos no Collge de France (1989-1992). Traduo Rosa Freire dAguiar. So Paulo: Companhia das Letras, 2014.

DURKHEIM, E.; MAUSS, M. On Some Primitive Forms of Classification: Contribution to the Study of Collective Representations . Londres: Taylor & Francis, 2009.

LOYAL, S. Bourdieus Theory of the State. Londres: Palgrave, 2017.

LARROSA, J. A operao ensaio: sobre o ensaiar e os ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. Educao e Realidade, Porto Alegre, v. 29, n. 1, jan./jun. 2004. p. 27-43.(Dossi Michel Foucault).

PRESTES MOTTA, F. C. As empresas e a transmisso da ideologia. Revista de administrao de empresas, v. 24, n. 3, p. 19-24, 1984.

NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Orgs.). Escritos de educao. Petrpolis: Vozes, 2007.

TRAGTENBERG, Maurcio. A escola como organizao complexa. Educao brasileira contempornea: organizao e funcionamento. So Paulo: McGraw-Hill do Brasil, p. 15-30, 1978.

TRAGTENBERG, M. Burocracia e ideologia. SciELO-Ed. UNESP, 2006.

WACQUANT, L. Poder simblico e fabricao de grupos: como Bourdieu reformula a questo das classes. Novos estud. - CEBRAP, So Paulo, n. 96, p. 87-103, Julho, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601369

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.