A individualização dos percursos formativos como princípio organizador das políticas curriculares para o Ensino Médio no Brasil

Roberto Rafael Dias da Silva

Resumo


O presente artigo propõe-se a examinar os modos pelos quais a individualização dos percursos formativos é posicionada enquanto um princípio organizador das políticas curriculares para o Ensino Médio implementadas no Brasil, ao longo desta década. Ao inscrever-se no campo dos Estudos Curriculares, descreve e analisa como a escolarização juvenil passa a ser redimensionada no âmbito de diferentes “surtos individualizatórios”, intensificados nas condições de uma “economização da vida social” e da visibilização dos paradoxos de uma “crise do Estado”. Realiza uma análise de políticas curriculares mobilizadas nos estados do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais e do Rio de Janeiro.


Palavras-chave


Políticas curriculares; Ensino Médio; Individualização; Brasil

Referências


AZEVEDO, J.; REIS, J. Democratizao do Ensino Mdio: a reestruturao curricular no RS. In: AZEVEDO, J.; REIS, J. (Orgs.). Reestruturao do Ensino Mdio: pressupostos tericos e desafios da prtica. So Paulo: Fundao Santillana, 2013.

BALIBAR, . Los dilemas histricos de la democracia y su relevancia contempornea para la ciudadana. Enrahonar: Quaderns de Filosofia, Barcelona, v. 48, p. 9-29, 2012.

BALL, S. Gobernanza neoliberal y democracia patolgica. In: COLLET, J.; TORT, A. (Orgs.). La gobernanza escolar democrtica. Madrid: Morata, 2016, p. 23-40.

BAUMAN, Z. Estado de crise. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. So Paulo: Editora 34, 2010.

CLAPARDE, E. A escola sob medida. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1973.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razo do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. So Paulo: Boitempo, 2016.

HART, S. Differentiation and equal opportunities. HART, S. (Org.). Differentiation and the secondary curriculum: debates and dillemmas. New York: Routledge, 1996, p. 9-25.

FAWTHROP, J. Developing group work skills. HART, S. (Org.). Differentiation and the secondary curriculum: debates and dillemmas. New York: Routledge, 1996, p. 64-78.

FIELDING, M. Why and how learning styles matter: valuing difference in teachers and learners. HART, Susan (Org.). Differentiation and the secondary curriculum: debates and dillemmas. New York: Routledge, 1996, p. 81-103.

FUMAGALLI, A. O conceito de subsuno do trabalho ao capital: rumo subsuno da vida no capitalismo cognitivo. Cadernos IHU Ideias, So Leopoldo, v. 14, n. 246, 2016, p. 1-22.

GABRIEL, C.; SILVA, R. Polticas curriculares para o Ensino Mdio no Brasil: o conhecimento escolar entre duas lgicas. In: PEREIRA, M.; ALBINO, .; DANTAS, V. (Orgs.). Polticas de currculo e formao: desafios contemporneos. Joo Pessoa: Editora da UFPB, 2015, p. 70-90.

IAS. Soluo educacional para o Ensino Mdio. Rio de Janeiro: Instituto Ayrton Senna, 2012a.

IAS. Competncias socioemocionais: material para discusso. Rio de Janeiro: Instituto Ayrton Senna, 2012b.

JESSOP, B. Narrando el futuro de la Economa Nacional y el Estado Nacional? Puntos a considerar acerca del replanteo de la regulacin y la re-invencin de la gobernancia. Documentos y aportes en administracin pblica y gestin estatal, Santa F, n. 7, p. 7-44, 2006.

KRAWCZYK, N. Reflexo sobre alguns desafios do ensino mdio no Brasil hoje. Cadernos de Pesquisa, So Paulo, v. 41, n. 144, p. 752-769, set./dez. 2011.

LAVAL, C. La escuela no es una empresa. Barcelona: Paids, 2004.

MINAS GERAIS. Reinventando o Ensino Mdio. Belo Horizonte: SEDUC, 2011.

NOBILE, M. Los egresados de las Escuelas de Reingreso: sobre los soportes mnimos para aprovechar una poltica de reinsercin educativa. Espacios en blanco, Tandil, n. 26, p. 187-210, 2016.

PACHECO, J. Educao, formao e conhecimento. Porto: Porto Editora, 2014.

PERRENOUD, P. Pedagogia diferenciada: das intenes ao. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PETERS, M. Economias biopolticas da dvida. Cadernos IHU Ideias, So Leopoldo, v. 14, n. 236, 2016, p. 1-16.

RIO GRANDE DO SUL. Proposta Pedaggica para o Ensino Mdio Politcnico. Porto Alegre: SE, 2011.

SCHERER, R. Cada um aprende de um jeito: das adaptaes s flexibilizaes curriculares. Dissertao de Mestrado. Programa de Ps-Graduao em Educao, Universidade do Vale do Rio dos Sinos. So Leopoldo: Unisinos, 2015, 173f.

SILVA, R. Investir, inovar e empreender: uma nova gramtica curricular para o Ensino Mdio brasileiro. Currculo sem Fronteiras, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 178-196, 2016a.

SILVA, R. Currculo e conhecimento escolar na sociedade das capacitaes: o Ensino Mdio em perspectiva. Revista E-curriculum, So Paulo, v. 14, n. 2, p. 676-697, 2016b.

SOUSA, F. Diferenciao curricular e deliberao docente. Porto: Porto Editora, 2010.

TIRAMONTI, G. Una aproximacin a la dinmica de la fragmentacin del sistema educativo argentino: especificaciones tericas y empricas. In: TIRAMONTI, G.; MONTES, N. (Orgs.). La escuela media en debate. Buenos Aires: Manantial, 2009, p. 25-38.

TIRAMONTI, G.. Escuela media: la identidad forzada. In: TIRAMONTI, G. (Org.). Variaciones sobre la forma escolar: limites y posibilidades de la escuela media. Buenos Aires: Flacso, 2014, p. 17-33.

ZIEGLER, S. Entre la desregulacin y el tutelaje: hacia dnde van los cambios en los formatos escolares?. In: TIRAMONTI, G. (Org.). Variaciones sobre la forma escolar: limites y posibilidades de la escuela media. Buenos Aires: Flacso, 2014, p. 71-88.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601254

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.