Educação, Institucionalização e Legitimação: novas arquiteturas educativas à luz do modelo neo-institucional em Portugal

Daniela Vilaverde e Silva

Resumo


Na alvorada do novo milenio esbocou-se em Portugal uma nova arquitetura na promocao do direito à educação destinada aos adultos: os processos de reconhecimento, validação e certificação de competencias (RVCC), conferindo aos adultos certificação escolar e profissional. Neste artigo, pretendemos refletir sobre a) a importância das dimensoes simbolicas no seio da sociologia organizacional, tendo em conta os contributos teoricos do modelo neo-institucional; b) o papel do avaliador externo no júri de certificação no processo de RVCC a partir do olhar dos diferentes atores num Centro Novas Oportunidades (CNO), do distrito de Braga e da aplicação de um questionario aos diretores/coordenadores dos CNO do norte de Portugal. Os dados obtidos na investigação denunciam que a figura do avaliador externo nos processos de RVCC e relevante sociologicamente sobretudo pela sua dimensao simbolica.


Palavras-chave


Modelo neo-institucional; Certificação escolar; Avaliador

Referências


BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construcao social da realidade: um livro sobre a sociologia do conhecimento. Lisboa: Dinalivro, 2004.

BRUNSSON, N. A organizacao da hipocrisia: os grupos em accao: dialogar, decidir e agir. Porto: Asa, 2006.

DIMAGGIO, P.; POWELL, W. (Comps.). El nuevo institucionalismo en el analisis organizacional. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 1999.

ESTEVÂO. C. A. Redescobrir a escola privada portuguesa enquanto organizacao. Braga: CIEd, Universidade do Minho, 1998.

ESTEVÂO. C. A. A administracao educacional em Portugal: teorias aplicadas e suas praticas. Revista de Administracao Educacional, Recife, v. 2, n. 6, p. 9-19, 2000.

FERREIRA, V. O Inquerito por Questionario na construcao de dados sociologicos. In: SILVA, A. S.; PINTO, J. M. (Org.). Metodologia das ciencias sociais. Porto: Afrontamento, 1986. p. 161-93.

FONSECA, V. A abordagem institucional nos estudos organizacionais: base conceituais e desenvolvimentos contemporâneos. In: Vieira, M. M.; Carvalho, C. A. Organizacoes, instituicoes e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2003. p. 47-66.

GIDDENS, A. As consequencias da modernidade. Oeiras: Celta, 1998.

LIMA, L. C. Para o estudo da evolucao do ensino e da formacao em administracao Educacional em Portugal. In: LUIS, A.; BARROSO; J.; PINHAL, J. (Ed.). Actas do 1º Congresso do Forum Portugues de Administracao Educacional – A administracao da educacao: investigacao, formacao e praticas. Lisboa: FPAE, 1997, p. 15-54.

LIMA, L. C. A escola como organizacao e a participacao na organizacao escolar. Braga: CIEd, Universidade do Minho, 1998.

LÜDKE, M.; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educacao: abordagens qualitativas. Sao Paulo: Pedagogica e Universitaria, 1986.

MARTINS, M. F. S. Gerencialismo e quase-mercado educacional: a accao organizacional numa escola secundaria em epoca de transicao. Braga: Universidade do Minho, 2009.

MEYER, J.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. In: Meyer, J. W.; Scott, W. R. Organizational Environments: Ritual and Rationality. Newbury Park: Sage, 1992. p. 21-44.

MORGAN, G. Imagens da organizacao. Sao Paulo: Atlas, 1996.

PORTUGAL. Despacho N° 13.563, de 15 de junho de 2002. Diario da República, [Lisboa], 15 jun 2002. Disponivel em: . Acesso em: 20 fev. 2012.

PORTUGAL. Despacho N° 29.856, 1 de marco de 2007. Diario da República, [Lisboa], 13 ago 2007. Disponivel em: . Acesso em: 20 fev. 2012.

PORTUGAL. Portaria N° 370, de 21 de maio de 2008, Diario da República, [Lisboa], 21 maio 2008. Disponivel em:

PORTUGAL. Portaria N° 135-A, de 28 de marco de 2013. Diario da República, [Lisboa], 28 mar 2013. Disponivel em: . Acesso em: 5 set. 2016.

PORTUGAL. Portaria N° 232, de 29 de agosto de 2016. Diario da República, [Lisboa], 29 ago 2016. Disponivel em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. V. Manual de investigacao em ciencias sociais. Lisboa: Gradiva, 1992.

SA, V. A participacao dos pais na escola pública portuguesa: uma abordagem sociologica e organizacional. Braga: CIEd, Universidade do Minho, 2004.

SCOTT, W. R. The adolescence of institucional theory. Administrative Science Quartely, v. 32, n. 4, p. 493-511, 1987. https://doi.org/10.2307/2392880

SCOTT, W. R. Institutions and Organizations. London: SAGE, 1995.

SILVA, D. V. Escola e logicas de accao organizacional: contributos teoricos para uma analise sociologica da organizacao educativa. Ensaio: Avaliacao e Politicas Públicas em Educacao, Rio de Janeiro, v. 15, n. 54, p. 103-26, jan./mar, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362007000100007

SILVA, D. V. Logicas de acao na educacao de adultos: um olhar sociologico-organizacional. Braga: Universidade do Minho, 2012.

SILVA, G. Para o estudo da evolucao do ensino e da formacao em administracao Educacional em Portugal. In: LUIS, A.; BARROSO J.; PINHAL, J. (Ed.). Actas do 1º Congresso do Forum Portugues de Administracao Educacional – A administracao da educacao: Investigacao, formacao e praticas. Lisboa: FPAE, 1997. p. 105-20.

SILVA, G. Modelos de formacao em administracao educacional: um estudo centrado na realidade portuguesa. Braga: CIEd, Universidade do Minho, Centro de Investigacao em Educacao, 2006.

TOLBERT, P.; ZUCKER, L. A institucionalizacao da teoria institucional. In: CLEGG, S. C.; HARDY, C.; NORD, W. Handboook de estudos organizacionais: modelos de analise e novas questoes em estudos organizacionais. Sao Paulo: Atlas, 1999. p. 196-219.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-403620180026001177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.