A “realidade” de cada escola e a recepcao de politicas educacionais

Rodrigo Rosistolato, Ana Pires do Prado, Leane Rodrigues Martins

Resumo


A investigação tem como objetivo compreender a recepcao de uma politica educacional nacional em contexto local, levando em consideração a perspectiva de gestores de uma Secretaria Municipal de Educação, gestores de escolas e de representantes sindicais. A proposta e analisar as leituras, as interpretacoes e as reinterpretacoes de politicas nacionais nos municipios. Nosso foco e a recepcao da Prova Brasil, e dos dados por ela produzidos. Descreveremos um cenario em que a Prova Brasil nao e compreendida integralmente em seus aspectos tecnicos, o que gera um duplo movimento: por um lado, gestores e sindicalistas entendem que e necessario realizar avaliações em larga escala, por outro criticam a padronização das avaliações. Suas criticas sao sustentadas por referencias às “realidades escolares”. A valorização das “realidades escolares” tem um duplo sentido: enfatiza as especificidades das escolas e produz interpretacoes alternativas e divergentes em relação à politica pública.


Palavras-chave


Politica educacional; Avaliação em larga escala; Prova Brasil

Referências


BONAMINO, A. Marcos historicos na reforma da educacao. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 18, n. 52, Mar. 2013.

BONAMINO, A. Tempos de avaliacao educacional: o SAEB, seus agentes, referencias e tendencias. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

BONAMINO, A.; SOUZA, S. Z. Tres geracoes de avaliacao da educacao basica no Brasil: interfaces com o curriculo da/na escola. Educ. Pesqui. vol.38 no.2 Sao Paulo, Abr./Jun 2012.

BOURDIEU, P. Escritos de Educacao. Petropolis: Vozes, 2001.

BOURDIEU, P. A reproducao. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbolicas. Sao Paulo: Perspectiva, 2003.

BOURDIEU, P. O poder simbolico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BROOKE & CUNHA, M. A. A. A avaliacao em larga escala como instrumento de gestao educacional nos estados. Estudos & Pesquisas Educacionais – Fundacao Victor Civita, v. 2, p. 3-64, 2011.

CASTRO, M. H. G. (2009) A Consolidacao da Politica de Avaliacao da Educacao Basica no Brasil. Meta: Avaliacao, v.1, n.3, p. 271-296.

COELHO, M.I.M. Vinte anos de avaliacao da educacao basica no Brasil: aprendizagens e desafios. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. 2008, vol.16, n.59, pp. 229-258.

GAMORAN, A., LONG, D. A. Equality of Educational Opportunity: A 40-Year Retrospective. WCER Working Paper No. 2006-9, December 2006. Disponivel em http://www.wcer.wisc.edu/publications/workingpapers/working_paper_no_2006_09.pdf

NOGUEIRA, C. M. M., NOGUEIRA, M. A., A Sociologia da educacao de Pierre Bourdieu: Limites e contribuicoes. Educacao & Sociedade, ano XXIII, no 78, Abril/2002.

PROPRIOS AUTORES, 2013.

PROPRIOS AUTORES, 2014.

PROPRIOS AUTORES, 2014.

SAMMONS, P. As caracteristicas-chave das escolas eficazes. In: BROOKE, Nigel e SOARES, J.F. (org.). Pesquisa em eficacia escolar: origem e trajetorias. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 335-382, 2008.

SOUZA, S. Z. & OLIVEIRA, R. P. Sistemas estaduais de avaliacao: uso dos resultados, implicacoes e tendencias. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.141, p.793-822, set./dez. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601074

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.