A Nova Politica de Educação e Formação de Adultos em Portugal: critica à governação neoliberal do sector em contexto de europeização

Rosanna Barros

Resumo


O maior impacto da reforma do Estado tem ocorrido sobre a sua anterior qualidade de ator politico vocacionado para garantir a manutencao dos principais bens públicos, resultantes do consenso keynesiano. Assim, o contexto hoje e de transicoes múltiplas que aportam novos sentidos, frequentemente contraditorios, para a area da educação de adultos e para o seu mandato. O artigo mostra, atraves da analise da emergencia, ocorrida em 1999 em Portugal, da nova politica de educação e formação de adultos (EFA), e da sua consolidação entre 2005 e 2012, que, nao obstante a complexidade envolvida, as novas orientacoes para o sector tem sido apresentadas na esfera pública de modo simplificado, apresentando, porem, tracos caracteristicos de uma governação neoliberal, num quadro de crescente europeização das politicas públicas.


Palavras-chave


Educação e formação de adultos; Politicas educativas; Europeização; Governação neoliberal

Referências


AGENCIA NACIONAL DE EDUCACAO E FORMACAO DE ADULTOS (ANEFA). Relatorio de Atividades 2000 . Lisboa: ANEFA, 2001.

BARDIN, L. Analise de conteúdo . Coimbra: Almedina, 2015.

BARROS, R. A Agencia Nacional para a Educacao e Formacao de Adultos (ANEFA) - um marco na europeizacao da agenda pública do sector. Revista Portuguesa de Educacao , 26, n. 1, p. 5986, 2013a.

BARROS, R. As Politicas educativas para o sector da educacao de adultos em Portugal: as novas instituicoes e processos educativos emergentes entre 1996-2006. Lisboa: Chiado Editora, 2013b.

CEDEFOP. Skills supply and demand in Europe Medium-term forecast up to 2020 . Luxemburg: Publications Office, 2010.

CHOMSKY, N. O neoliberalismo e a ordem global: critica do lucro. Lisboa: Editorial Noticias, 2000.

COMISSAO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Livro branco sobre a educacao e a formacao: ensinar e aprender; rumo a sociedade cognitiva. Bruxelas: CCE, 1995. Disponivel em: . Acesso em 19 fev. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCACAO - CNE. Estado da educacao 2011: a qualificacao dos portugueses. Lisboa: CNE, 2011.

CORAGGIO, J. L. Propostas do Banco Mundial para a educacao: sentido oculto ou problemas de concepcao?. In: De TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as Politicas Educacionais . Sao Paulo: Cortez Editora, 2000. p. 75–124.

DALE, R. Globalizacao e educacao: demonstrando a existencia de uma ‘Cultura Educacional Mundial Comum’ ou localizando uma ‘Agenda Globalmente Estruturada para a Educacao’?. Educacao, Sociedade e Culturas , 16, p. 133–169, 2001.

DALE, R.; ROBERTSON, S. (Ed.). Globalization and Europeanization in Education . Walllingford: Symposium, 2009.

DELORS, J. (Coord). Educacao: um tesouro a descobrir. [Brasilia, DF]: UNESCO, 1996. Disponivel em: . Acesso em: 19 fev. 2018.

GUBA, E.; LINCOLN, Y. Competing Paradigms in Qualitative Research. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Ed.). Handbook of Qualitative Research . Thousand Oaks: Sage, 1994. p. 105–117.

GUIMARAES, P. Educadores de adultos em Portugal: politicas fragmentadas, identidades em mudanca. Ensaio: Avaliacao e Politicas Públicas em Educacao , v. 18, n. 69, p. 775–794, 2010. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362010000400007.

GUIMARAES, P.; BARROS, R. A nova politica pública de educacao e formacao de adultos em Portugal. Os educadores de adultos numa encruzilhada? Revista Educacao & Sociedade , v. 36, n. 131, p. 391–406, 2015.

HAKE, B. J.; LAOT, F. F. (Ed.). The Social Question and Adult Education / La question sociale et l’education des adultes: European Perspectives in the 19th and 20th Centuries / Perspectives europeennes, XIXe - XXe siècles. Frankfurt am Main: Peter Lang Publishers, 2009.

IMAGINARIO, S.; VIEIRA, L. S.; JESUS, S. subjective well-being and social integration of college students. Journal of Spatial and Organizational Dynamics , v. 1, n. 3, p. 215–223, 2013.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA - INE. Censos 1991: Resultados Definitivos. Portugal. Lisboa: INE, 1993.

LIMA, L. C. O paradigma da educacao contabil: politicas educativas e perspectivas gerencialistas no ensino superior em Portugal. Revista Brasileira de Educacao , n. 4, p. 43–59, 1997.

LIMA, L. C. Politicas educativas, novas (e velhas) oportunidades. In: A Educacao na viragem do seculo XX: Atas das I Jornadas de Educacao. Braga: Núcleo de Estudantes de Educacao da Universidade do Minho, 1998.

MELO, A. uma nova vontade politica de relancar a educacao e formacao de adultos? In: TEODORO, A. (Org.). Educar, Promover, Emancipar: os contributos de Paulo Freire e Rui Gracio para uma Pedagogia Emancipatoria. Lisboa: Edicoes Universitarias Lusofonas, 2001, p. 101-120.

MELO, A.; MATOS, L.; SILVA, O. S@ber +: Programa para o Desenvolvimento e Expansao da Educacao e Formacao de Adultos, 1999-2006. Lisboa: ANEFA/GMEFA, 2001.

MELO, A. et al. Uma aposta educativa na participacao de todos: documento de estrategia para o desenvolvimento da educacao de adultos. Lisboa: Ministerio da Educacao, 1998.

MONTAÑO, C. Terceiro sector e questao social: critica ao padrao emergente de intervencao social. Sao Paulo: Cortez Editora, 2002.

MONTAÑO, C.; DURIGUETTO, M. L. Estado, Classe e Movimento Social. Sao Paulo: Cortez Editora, 2014.

PACTO educativo para o futuro. In: TEODORO, A. (Coord.). Pacto educativo: aspiracoes e controversias. Lisboa: Texto Editora, 1996. p. 90–96.

PORTUGAL. Novas oportunidades: iniciativa no âmbito do Plano Nacional de Emprego e do Plano Tecnologico. [Lisboa]: Ministerio da Educacao, [2005]. Disponivel em: . Acesso em: 8 jan. 2018.

PORTUGAL. Portaria Nº 47/2017, de 1 de fevereiro de 2017. Regula o Sistema Nacional de Creditos do Ensino e Formacao Profissionais e define o modelo do «Passaporte Qualifica». Diario da República, de 1 fev. 2017. Disponivel em: . Acesso em 19 fev. 2018.

PORTUGAL. Programa Qualifica. Disponivel em: . Acesso em 8 jan. 2018.

RODRIGUES, C.; NOVOA, A. Prefacio. In: CANARIO, R. CABRITO, B. (Org.). Educacao e formacao de adultos: mutacoes e convergencias. Lisboa: EDUCA-Formacao, 2005. p. 7–14.

RODRIK, D. Goodbye Washington Consensus, hello Washington confusion? A review of the World Bank’s economic growth in the 1990s: learning from a decade of reform. Journal of Economic Literature, v. 44, n. 4, p. 973–987, 2006.

SANTOS, B. S. A reinvencao solidaria e participativa do estado. Coimbra: CES, 1999. (Oficina do CES, 134).

SANTOS, B. S. O Estado e a sociedade em Portugal (1974-1988). Porto: Edicoes Afrontamento, 1990.

SANTOS, B. S. Pela mao de Alice: o social e o politico na pos-modernidade. Porto: Edicoes Afrontamento, 1996.

SANTOS, B. S. Towards a New Common Sense. Law, Science and Politics in the Paradigmatic Transition. New York: Routledge, 1995.

SEDDON, T.; BILLETT, S.; CLEMANS, A. Politics of social partnerships: a framework for theorizing. Journal of Education Policy , v. 19, n. 2, p. 123–142, 2004. doi: https://doi.org/10.1080/0144341042000186309.

TORRES, C. A. Democracia, educacao e multiculturalismo: dilemas da cidadania em um mundo globalizado. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2001.

UNITED NATIONS (UN). Investing in education: lessons from the business community UN Global Compact, 2015.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION - UNESCO. EFA Global Monitoring Report 2012: youth and skills: putting education to work. Paris: UNESCO, 2012.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION - UNESCO. Joint Proposal of the EFA Steering committee on Education Post-2015 . (Muscat: UNESCO, 2014). Disponivel em: < http://www.acaoeducativa.org.br/desenvolvimento/wp-content/uploads/2014/07/Joint-Proposal-of-the-EFA-SC-JUNE-2014.pdf>. Acesso em: 8 fev. 2018.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION - UNESCO. Marco de Acao de Belem. Brasilia, DF: UNESCO, 2010.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION - UNESCO. Recommendation on adult learning and education . [S.l.]: UIL, 2015.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION - UNESCO. Recommendation on the development of adult education . [Nairobi]: UNESCO, 1976.

WALLERSTEIN, I. El moderno sistema mundial II: el mercantilismo y la consolidacion de la economia-mundo europea, 1600-1750. Madrid: Siglo Veintiuno Editores, 1984.

WALLERSTEIN, I. O sistema mundial moderno: a agricultura capitalista e as origens da economia-mundo europeia no seculo XVI. Porto: Edicoes Afrontamento, 1990. v. 1.

WORLD BANK. Learning for all: investing in people’s knowledge and skills to promote development - World Bank Group education strategy 2020. Washington, DC: World Bank, 2011.

WORLD BANK. Stepping up skills: for more jobs and higher productivity. Washington D.C.: World Bank, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601050

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.