O “Programa Mulheres Mil” no Espirito Santo: uma politica pública educacional de equidade de genero?

Elisabete Corcetti, Susane Petinelli Souza, Maria das Dores Saraiva de Loreto

Resumo


Evidencias empiricas revelam um aumento significativo do trabalho feminino, que alcanca mais de 40% da população ocupada no Brasil; embora ainda seja marcado pela informalidade, pela divisao sexual do trabalho e pelos rendimentos em media menores que os dos homens. Portanto, o objetivo geral deste artigo e verificar se as tecnicas utilizadas na implementação do Programa Mulheres Mil sao capazes de fomentar a equidade de genero por meio da inclusao educacional e produtiva e como se da esse processo. O metodo de pesquisa proposto foi o estudo de caso, com abordagem qualitativa. Os resultados demonstram que o programa nao atingiu seu objetivo de incluir produtivamente essas mulheres, pois a maioria delas ainda esta desempregada. Notou-se tambem que, ao utilizar a metodologia de avaliação e reconhecimento de aprendizagem previa, o programa tende a reforcar as normas de genero ja existentes. Recomenda-se a reestruturação do programa, considerando a adequação da sua metodologia aos projetos de vida das mulheres, bem como à realidade do mercado de trabalho local.


Palavras-chave


Politicas Públicas; Genero; Mulheres; Equidade

Referências


ABRAMO, L. W. A insercao da mulher no mercado de trabalho: uma forca de trabalho secundaria? 2007. 328 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciencias Humanas, Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo, 2007.

ARAUJO, S. M. P. Mulheres em situacao de fragilidade social e o Programa Mulheres Mil: o papel das politicas na perspectiva de emancipacao para o trabalho. 2015. 152 f. Dissertacao (Mestrado Profissional em Gestao e Tecnologias Aplicadas à Educacao) – Programa de Mestrado Profissional em Gestao e Tecnologias Aplicadas à Educacao, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2015.

ARTICULACAO DE MULHERES BRASILEIRAS. Politicas públicas para igualdade: balanco de 2003 a 2010 e desafios do presente. Brasilia, DF: Centro Feminista de Estudos e Assessoria, 2011.

BANCO MUNDIAL. Relatorio sobre o desenvolvimento mundial de igualdade de genero e desenvolvimento. Washington, DC: The International Bank for Reconstruction and Development, 2011.

BARSTED, L. A. L. Em busca do tempo perdido: mulher e politicas públicas no Brasil 1983-1993. Revista Estudos Feministas, Florianopolis, n. 2, 1994.

BOURDIEU, P. O Poder Simbolico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRAGA, A. C. F. Projeto Mulheres Mil e genero: comercializacao das pequenas producoes das mulheres no setor Santa Barbara em Palmas – TO. 2011. 77 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao Agricola) – Programa de Pos-Graduacao em Educacao Agricola, Instituto de Agronomia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

BRASIL. Presidencia da República. Secretaria Especial de Politicas para Mulheres. IPlano Nacional de Politicas para as Mulheres. Brasilia, DF: Secretaria Especial de Politicas para as Mulheres, 2004.

BRASIL. Presidencia da República. Secretaria Especial de Politicas para Mulheres. IIPlano Nacional de Politicas para as Mulheres. Brasilia, DF: Secretaria Especial de Politicas para as Mulheres, 2008.

BRASIL. Portaria N° 1015, de 21 de julho de 2011. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 22 jul. 2011, p. 38.

BRASIL. Presidencia da República. Secretaria Especial de Politicas para Mulheres. III Plano Nacional de Politicas para as Mulheres. Brasilia, DF: Secretaria Especial de Politicas para as Mulheres, 2013.

BRAVIN, S. M. R. A contribuicao do Programa Mulheres Mil para a formacao de capital social. 2015. 189 f. Dissertacao (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Programa de Pos-Graduacao em Desenvolvimento Regional, Universidade do Contestado, Canoinhas, 2015.

BRUSCHINI, M. C. A. Trabalho e genero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537–572, dez. 2007. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742007000300003

BUTLER, J. Problemas de genero: feminismo e subversao da identidade. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilizacao Brasileira, 2013.

CARPENEDO, M. Quando a resistencia se torna politica publica. Analisando a producao de subjetividade(s) nas politicas públicas de equidade de genero no campo do trabalho. 2011. 150 f. Dissertacao (Mestrado em Psicologia Social) – Programa de Pos-Graduacao em Psicologia Social, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

CARPENEDO, M.; NARDI, H. C. Mulheres brasileiras na divisao internacional do trabalho reprodutivo: construindo subjetividade(s). Revista de Estudios Sociales, n. 45, p. 96–109, abr. 2013.

CROMPTON, R.; LYONETTE, C. Work-life “balance” in Europe. Acta Sociologica, v. 49, n. 4, p. 379–393, 2006. doi: https://doi.org/10.1177/0001699306071680

FARAH, M. F. S. Genero e politicas públicas. Revista Estudos Feministas, Florianopolis, v. 12, n. 1, abr. 2004. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2004000100004

FERREIRA, S. M. “Mulheres Mil” como politica pública de inclusao social: uma analise do empoderamento feminino. 2016. 119 f. Dissertacao (Mestrado profissional em Politicas Públicas) – Programa de Pos-Graduacao em Ciencia Politica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

FOUCAULT, M. Historia da sexualidade 2: o uso dos prazeres. 4. ed. Rio de Janeiro: Edicoes Graal, 1984.

FOUCAULT, M. O governo de si e dos outros: curso no Collège de France, 1982-1983. Sao Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

GOIS, E. L. P. Programa Mulheres Mil: interfaces de genero na capacitacao de mulheres para o mercado de trabalho em Palmas. 2016. 145 f. Dissertacao (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Programa de Pos-Graduacao em Desenvolvimento Regional, Universidade Federal de Tocantins, Tocantins, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE. Sintese de indicadores sociais: uma analise das condicoes de vida da populacao brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponivel em: . Acesso em: 15 mar. 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA. Politicas sociais: acompanhamento e analise. Brasilia, DF: IPEA, 2015.

LABRECQUE, M. F. Transversalizacao da perspectiva de genero ou instrumentalizacao das mulheres? Revista de Estudos Feministas, Florianopolis, v. 16, n. 3, 2010. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2010000300015

LAGOS, M. B. “Palmas para Mulheres Mil” em comunidades quilombolas: a participacao do IFPR, campus Palmas no Programa Nacional de Inclusao Social. 2014. 140 f. Dissertacao (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Programa de Pos-Graduacao em Desenvolvimento Regional, Universidade Tecnologica Federal do Parana, Pato Branco, 2014.

LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. Introduction: understanding public policy through its instruments — from the nature of instruments to the sociology of public policy instrumentation. Governance, n. 20, p. 1–21, 2007. doi: 10.1111/j.1468-0491.2007.00342.x

LIPOVETSKY, G. La mujer y la actividad professional. In: BAREA TEJEIRO, J. et al. Dimensiones Economicas y sociales de la familia. Madrid: Fundacion Argentaria, 2000. p. 131–140.

LISBOA, T. K.; MANFRINI, D. B. Cidadania e equidade de genero: politicas públicas para mulheres excluidas dos direitos minimos. Katalysis, Florianopolis, v. 8, n. 1, p. 67–77, jan. 2005. doi:http://dx.doi.org/10.1590/%x

LOURO, G. L. Genero, sexualidade e educacao: uma perspectiva pos-estruturalista. 15. ed. Petropols, RJ: Vozes, 2013.

MALHOTRA, A.; SCHULER, S. R.; BOENDER, C. Measuring women’s empowerment as a variable in international development. [S.l.: World Bank.], 2011.

MANCINI, M. Mulheres profissionais bem-sucedidas: um estudo exploratorio no contexto organizacional brasileiro. 2005. 284 f. Tese (Doutorado em Ciencias Sociais) – Pontificia Universidade Catolica, Sao Paulo, 2005.

MANDEL, H.; SEMYONOV, M. Welfare state paradox: state interventions and women’s employment opportunities in 22 countries. American Journal of Sociology, v. 111, n. 6, p. 1910–1149, 2006. doi: https://doi.org/10.1086/499912

MATOS, M. Movimento e teoria feminista: e possivel reconstruir a teoria feminista a partir do Sul Global? Revista de Sociologia e Politica, Curitiba, v. 18, n. 36, jun. 2010. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000200006

MARQUES, E. Redes sociais, segregacao e pobreza. Sao Paulo: Editora UNESP: Centro de Estudos da Metropole, 2010.

MARUANI, M. Emprego, desemprego e precariedade: uma comparacao europeia. In: COSTA, A. O. et al. (Org.). Mercado de trabalho e genero: comparacoes internacionais. Rio de Janeiro: FGV, 2008. p. 35–51.

MATLAND, R. E. Synthesizing the implementation literature: The ambiguity-conflict model of policy implementation. Journal of Public AdministrationResearch and Theory, v. 5, n. 2. p. 145–174, Apr. 1995. doi: https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.jpart.a037242

MELO, M. C. O. L. Mulheres gerentes entre o empoderamento e o teto de vidro. In: FREITAS, M. E.; DANTAS, M. (Org.). Diversidade sexual e trabalho. Sao Paulo: Cengage, 2011.

MONTOYA RUIZ, A. M. Seguridad humana para las mujeres en las ciudades: reflexiones para politicas publicas urbanas con enfoque de genero. Estudios Socio-Juridicos, v. 15, n. 1, p. 115–137, jun. 2013.

NASCIMENTO, S. D. Geracao de renda para as mulheres: uma avaliacao de impactos do programa mulheres mil na otica das egressas em Sao Luis MA. 2015. 130 f. Dissertacao (Mestrado em Politicas Públicas) – Programa de Pos-Graduacao em Politicas Públicas, Universidade Federal do Maranhao, Sao Luis, 2015.

NOBRE, M. Igualdade para todas: estrategias para politicas públicas e acoes do movimento. Revista Estadual Feminista, v. 24, n. 2, p. 645–652, 2016. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n2p645

OLIVEIRA, M. A. S. M. Programa Mulheres Mil no Instituto Federal de Sergipe: interfaces com a educacao e o trabalho. 2013. 157 f. Dissertacao (Mestrado em Servico Social) – Programa de Pos-Graduacao em Servico Social, Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, 2013.

PAPA, F. C. Transversalidade e politicas pblicas para mulheres no Brasil: percursos de uma pre-politica. 2012. 177 f. Dissertacao (Mestrado em Administracao Pblica e Governo) Programa de Pos-Graduacao em Administracao Pblica e Governo, Escola de Administracao de Empresas de Sao Paulo da Fundacao Getlio Vargas, Sao Paulo, 2012.

PEREIRA, J. S. A. Programa Mulheres Mil: uma analise no campo das politicas de inclusao do IFSC. 2015. 171 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) Programa de Pos-Graduacao em Educacao, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, 2015.

PINTO, C. R. J. Feminismo, historia e poder. Revista Sociologia e Politica, v. 18, n. 36, 2010, p. 1523. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000200003

POLLACK, M. A.; HAFNER-BURTON, E. Mainstreaming gender in the European Union. Journal of European Public Policy, v. 7, n. 3, p. 432456, 2000. doi: https://doi.org/10.1080/13501760050086116

RIBEIRO, L. E. G. A qualificacao profissional e cidada: um estudo do Programa Mulheres Mil, a partir da experiencia do Instituto Federal de Goias, campus de Luzinia. 2013. 155 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) Programa de Pos-Graduacao em Educacao, Universidade de Brasilia, Brasilia, DF, 2013.

ROSA, S. M. M. Reconhecimento de saberes no Programa Mulheres Mil: entre a colonialidade do poder e de genero. 2016. 287 p. Dissertacao (Mestrado em Educacao) Programa de Pos-Graduacao em Educacao, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, 2016.

SALIH, S. Judith Butler e a teoria queer. Belo Horizonte: Autentica, 2013.

SAMPAIO, D. F. Relacoes de genero na indstria automotiva: a problematica da divisao sexual do trabalho e da visao essencializada da mulher: um estudo de caso. 2007. 191 f. Dissertacao (Mestrado em Sociologia, Programa de Pos-Graduacao em Sociologia) Universidade Federal do Parana, Curitiba, 2007.

SCHNEIDER, A.; INGRAM; H. Policy design for democracy. Lawrence, KS: University Press of Kansas, 1997.

SCOTT, J. Genero: uma categoria til de analise historica. Educacao e Realidade, Porto Alegre v. 20, n. 2, p. 7199, dez. 1995.

SEGNINI, L. R. P. Educacao e trabalho: uma relacao tao necessaria quanto insuficiente. Sao Paulo em Perspectiva, Sao Paulo, v. 14, n. 2, p. 72-81, abr./jun. 2000. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000200011

SILVA, C. R. C. Programa Mulheres Mil: subjetividade, inclusao e governabilidade. 2015. 120 f. Dissertacao (Mestrado em Psicologia) Programa de Pos-Graduacao em Psicologia, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2015.

SILVA, J. C. S. Foucault e as relacoes de poder: o cotidiano da sociedade disciplinar tomado como uma categoria historica. Revista Aulas, v. 1, n. 3, p. 128, mar. 2007.

SILVA, T. M. A educacao profissional e a politica pblica mulheres mil: a implementacao no mbito do IFMA em Sao Luis. 2015. 102 f. Dissertacao (Mestrado em Politicas Pblicas) Programa de Pos-Graduacao em Politicas Pblicas, Universidade Federal do Maranhao, Sao Luis, 2015.

SILVEIRA, M. L. Politicas pblicas de genero: impasses e desafios para fortalecer a agenda politica na perspectiva da igualdade. In: URBIS 2003; Congresso Internacional de Cidades; Seminario Nacional de Coordenadorias da Mulher no Nivel Municipal. 2003, Sao Paulo. Anais... Sao Paulo: ILDES/Fundacao Friedrich Ebert Stiftung, 2003. p. 1-11.

SORJ, B. Igualdade de genero e politicas macroeconmicas. Revista Estudos Feministas, v. 24, n. 2, p. 617620, ago. 2016. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n2p617

STANDING, H. Gender, myth and fable: the perils of mainstreaming in sector bureaucreaties. In: CORNWALL, A.; HARRISON, E.; WHITEHEAD, A. (Orgs.). Feminisms in development: Contradictions, contestations and challenges. London: Zed Books, 2007, p. 101111.

STROMQUIST, N. P. Politicas pblicas de Estado e equidade de genero: perspectivas comparativas. Revista Brasileira de Educacao, n. 1, p. 2749, jan./abr. 1996.

TELES, F. B. M. Programa Mulheres Mil: um olhar sobre a insercao das egressas no mundo do trabalho. 2015. 142 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao Profissional) Programa de Pos-Graduacao em Educacao Profissional, Universidade de Brasilia, Brasilia, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.